©Greenpeace / Alcides Falange

 

O Ministério Público Federal acaba de recorrer ao Tribunal Regional Federal pedindo revisão da decisão que autoriza exploração e produção de petróleo em um raio de 50 quilômetros do Parque Nacional Marinho de Abrolhos, na Bahia, tomada no apagar das luzes de 2010.

Segundo o MPF, não é razoável que interesses econômicos de empresas públicas ou particulares se sobreponham à importância ambiental do santuário de Abrolhos.

Nada mais justo. A região é visitada por baleias jubartes todos os anos e abriga a maior área de recifes de corais do Atlântico Sul. Além, é claro, de prover sustento para cerca de 100 mil pessoas que sobrevivem da pesca e turismo sustentável.

Sem falar no prejuízo para o clima. Regiões costeiras são capazes de absorver cerca de ¼ das emissões de gás carbônico geradas por atividades humanas. Sob este prisma, passa a ser obrigação do governo federal proteger a região de como parte de seus compromissos internacionais pela conservação da biodiversidade e combate ao aquecimento global.

Fonte: http://www.greenpeace.org/brasil/pt/Blog/mais-que-uma-obrigao/blog/33419