You are currently browsing the tag archive for the ‘Sirio Lopez Velasco’ tag.

Entre os dias 25 a 28 de setembro acontecerá o IV Encontro e Diálogos com a Educação Ambiental (IV EDEA) e,  juntamente com ele, o Colóquio de Pesquisadores em Educação Ambiental da Região Sul (V CPEASul), na Universidade Federal do Rio Grande (FURG), em Rio Grande/RS.

O objetivo é contribuir para a integração e desenvolvimento de diferentes saberes e práticas de pesquisadores que compõem a Educação Ambiental enquanto campo do conhecimento, segundo os seus organizadores.

O Encontro e Diálogos com a Educação Ambiental – EDEA surgiu da iniciativa dos alunos do Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental – PPGEA/FURG, que sentiram a necessidade de refletir sobre o quefazer do educador ambiental.

Na sua última edição, o EDEA ocorreu de 11 a 14 de maio de 2011, no CIDEC-SUL, do Campus Carreiros da FURG. A temática do evento, Semeando Ideias, Colhendo Diálogos foi um convite ao diálogo continuado, que transcenda o espaço universidade para ser colhido no dia-a-dia das relações ambientais. O evento contou com a participação de mais de 400 ouvintes, com apresentações orais de 68 trabalhos e 70 pôsteres, resultando em um livro já publicado e em um livro de anais com mais de 800 páginas, material disponível online.

Diversas pessoas ligadas a EA e instituições, como é o caso do CEA, estarão presentes. Já confirmaram:

Me. Antônio Soler, do Centro de Estudos Ambientais;

Esp. Felipe Amaral – Coordenador de EA da Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul – FZB/RS

Profª. Drª. Isabel Carvalho – PUC/RS – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Me. José Silva Quintas – Analista e Educador Ambiental – aposentado do IBAMA

Profa. Mag. Laura Barcia – Coordenadora da ReNEA – Red Nacional de Educación

Profª. Drª. Michèle Sato – UFMT – Universidade Federal do Mato Grosso

Prof. Dr. Sirio Lopes Velasco – FURG – Universidade Federal do Rio Grande

Veja lista completa em: http://cpeasul.blogspot.com.br/p/convidados.html

Também acontecerá a 1ª Mostra Internacional de Humor sobre Educação Ambiental, com inscrições até dia 15 de Setembro.

Cúpula dos Povos/Rio+20 22.06

A diversidade de pautas e personagens tomou conta da Cúpula dos Povos. Foto: Cíntia Barenho/CEA

 

por Sirio Lopez Velasco*

A “Rio + 20” (Conferência das NaçõesUnidas sobre Desenvolvimento Sustentável) foi um megaevento organizado pela ONU no Rio de Janeiro, de 13 a 22 de junho de 2012, para comemorar os 20 anos da “Rio 92”, e que culminou com uma declaração de 49 páginas assinada pelos 193 países participantes, intitulada “Ofuturo que queremos”.

No evento participaram 120 Chefes de Estado e mais de 17 mil delegados; a delegação brasileira contou com 300 representantes governamentais e mais 300 convidados; na parte da delegação sob responsabilidadedo Ministério da Educação, vários docentes universitários representarama Educação Ambiental, dentre eles os professores doutores José Vicente de Freitas, Vanessa Hernandez Caporlíngua, Elisabeth Brandão Schmidt e Sirio Lopez Velasco,  do Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental (PPGEA) da FURG (Universidade Federal do Rio Grande).

A parte oficial do evento aconteceu no Riocentro, fora da cidade. Ali, antes da inauguração da parte que contou com a presença dos Chefes de Estado realizaram-se os “Diálogos para o Desenvolvimento Sustentável”; em uma das suas sessões os delegados oficiais e representantes da sociedade civil  indicaram mediante votação aos Chefes de Estado três sugestões:

1) incluir os danosambientais como valores negativos no cálculo do Produto Interno Bruto (PIB) e apreciar os projetos pelo seu índice de desenvolvimento social,

2) promover pela educação (ambiental) um entendimento holístico do desenvolvimento sustentável, tendo em mente os aspectos ambientais, econômicos, políticos esociais, e,

3) que os Governos façam as suas compras considerando os padrões de sustentabilidade dos respectivos produtos.

Na inauguração oficial do evento (em 20/06) destacaram-se as falas dos representantes dos grupos de trabalho das mulheres, jovens, indígenas, camponeses e das ONGs; nelas apontaram-se as carências do documento oficial final assinado pelos Chefes de Estado no que diz respeito a objetivos, metas, prazos e recursos financeiros (que deveriam vir principalmente dos países ricos) para se resolver graves questões sócio-ambientais como a miséria, a pobreza, a desigualdade entre países, classes e gêneros (reivindicando-se os direitos da mulher, incluindo osreprodutivos), o desarmamento nuclear de todas as nações, a segurança alimentar baseada na agricultura orgânica familiar-cooperativa, o respeito ao direito de cada povo ao uso dos seus recursos naturais, as ocupações dignas e verdes, e ocombate à devastação e à poluição que ameaçam muitas espécies e a qualidade daterra, das águas e do ar.

A parte oficial incluiu, além das falas antes citadas e aquelas dos representantes de cada país participante, a realização de dezenasde mesas de debate sobre diversos aspectos da sustentabilidade. Paralelamente à parte oficial aconteceram no Parque dos Atletas e em diversos pontos da cidade muitas atividades de grande repercussão que contaram com muito público.  A mais concorrida delas foi a “Cúpula dosPovos por justiça social e ambiental em defesa dos bens comuns”, realizada no Aterro do Flamengo. Ali, milhares de jovens de muitos países e várias etnias (muitas delas indígenas) e ocupações (professores, estudantes, camponeses,trabalhadores) expuseram suas propostas, lutas, experiências e produtos sustentáveis, e protagonizaram muitas mesas de debate (dentre outros temas, sobre os direitos dos povos indígenas, a agricultura familiar, as energias limpas e o ecossocialismo) e também diversas passeatas em defesa de uma sociedade sustentável libertada do capitalismo (isto é, livre da exploração entre os seres humanos e caracterizada por uma convivência respeitosa-cuidadosaentre eles e o restante da natureza). Nos armazéns do porto (um deles rebatizado para a ocasião “Armazém da Utopia”) realizou-se uma exposição dedicada às inovações sustentáveis, patrocinada pela FINEP; nela foram mostrados muitosprodutos brasileiros que ajudam na construção de uma sociedade sustentável (como, dentre muitos outros, um barco solar para o transporte escolar na Amazônia e um ônibus mixto elétrico-etanol); a FURG teve nessa exposição um estande dedicado ao uso da anchoita para a merenda escolar. Num anexo desmontável ao Forte de Copacabana aconteceu a exposição “Humanidade 2012”, a qual com a ajuda demuitos recursos áudio-visuais e sensoriais familiarizou os visitantes com a aventura humana sobre a terra, mostrando os seus impactos sócio-ambientais elançando perguntas-desafios direcionadas para uma sociedade sustentável. ]

Outros pontos da cidade (como o Jardim Botânico, a Assembleia Legislativa e o Museu deArte Moderna) acolheram diversos eventos paralelos. Por sua vez, o Parque dos Atletas (vizinho ao Riocentro) abrigou uma grande exposição sobre projetos sustentáveis desenvolvidos por Municípios, Estados e instituições públicas brasileiros; muitos países também montaram ali cada um o seu estande (às vezes com caráter meramente empresarial-turístico).

O último dia da Conferência esteve marcado pela mobilização da UNASUL (União das Nações Sulamericanas) paraapoiar o Presidente Lugo e a jovem democracia paraguaia confrontados a um Golpede Estado branco. Passada a  “Rio + 20” fica claro que é nos milhares de jovens que participaram das suas atividades oficiais e paralelas,nos outros milhares de escolares que frequentaram as diversas exposições, e nos milhões de cidadãos que no Brasil e no mundo aprofundaram seu compromisso com a construção de uma sociedade sustentável, que está a garantia de que haverá consequências duráveis e transformadoras da Conferência.

O impacto que a mesma teve no mundo através da mídia e de muitos eventos simultâneos realizados em todos os continentes, reforça a esperança de um mundo sustentável. Na construção desse futuro (o futuro que queremos) caberá uma grande tarefa à educação ambiental (que segundo as Diretrizes Nacionais de Educação Ambiental recentemente aprovadas no Brasil, deve permear todos os níveis e modalidades deensino); ali residem novos e grandes desafios para todos os cursos da FURG (e em especial para as licenciaturas e o PPGEA).

*Sirio Lopez Velasco é Professor da FURG (lopesirio@hotmail.com)

O professor Sirio López Velasco

O Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental (PPGEA), Sírio Lopez Velasco, lançou mais uma publicação intitulada Ideias para o socialismo do século XXI com visão marxiana-ecomunitarista, pela Editora da FURG, Rio Grande/RS.

A obra contém os seguintes ensaios, conforme o autor:

1) Ética ecomunitarista, pessoa e formação política (onde se expõem os fundamentos da ética e do ecomunitarismo, se explicita a noção de pessoa e se aborda a educação ambiental como formadora política, em sentido amplo);

2) A crítica da alienação no “Capital” à luz da ética argumentativa ecomunitarista (onde mostra-se que Marx permaneceu fiel na sua obra máxima à crítica que fez da alienação capitalista na sua juventude, e interpreta-se/aplica-se essa crítica desde as três normas básicas da ética);

3) Ucronia mínima (apresenta os relatos em português da primeira parte de um livro de Lopez Velasco antes editado em espanhol, que descrevem o dia-a-dia de uma sociedade ecomunitarista, nas áreas da economia ecológica e sem patrões, da educação, da erótica, da política, e da comunicação);

4) La ética ecomunitarista y las necesidades legítimas en la perspectiva del socialismo del siglo XXI en A. Latina;

5) Fundamento filosófico y legitimación ética de la libertad de expresión en el socialismo del siglo XXI (onde se faz a crítica da imprensa no capitalismo e são traçadas algumas diretrizes para seu funcionamento no socialismo do século XXI que floresce na A. Latina); e

6) El ecomunitarismo y el Tao Te King: primera aproximación (leitura ecomunitarista desse clássico do pensamento chinês e mundial).

Podem ser feitos pedidos do livro na Editora da FURG ( editfurg@mikrus.com.br).

Sírio, autor de várias obras atinentes a temática ambiental e o marxismo, tem sido um parceiro e apoiador do CEA em diversas oportunidades, como no movimento que envolveu outras instituições na luta pela proteção das dunas, no Balneário do Cassino, em Rio Grande, a qual resultou num marco legal próprio, a partir de uma proposta elaborada pelo CEA, norma ambiental que ainda carece de aplicação plena.

Ecossistema de dunas tem marco legal próprio, resultado da mobilização do movimento ambiental/ecológico, a partir de uma proposta elaborada pelo CEA. Balneário do Cassino. Foto: Antonio Soler/CEA

 Sirio López Velasco

(Filósofo – FURG – Brasil- lopesirio@hotmail.com)

 Ha nacido en Caracas la Comunidad de Estados Latinoamericanos y Caribeños (CELAC), con la participación de 33 Estados y sin la presencia de EEUU ni Canadá. Por primera vez A. Latina y el Caribe se dan un espacio que los abarca sin la presencia directa de potencias imperialistas, para discutir su presente, coordinar su futuro, y plantarse como un bloque unido en el mundo. La próxima cumbre de la CELAC se realizará en Chile en 2012, y la siguiente ocurrirá en Cuba en 2013. El neoliberal Presidente de Panamá ofreció a su país para sede de la Secretaría Permanente de la nueva comunidad, invocando el hecho de que Bolívar había elegido ese territorio como lugar para realizar el Congreso Anfictiónico que según el Libertador debería poner la piedra fundamental de la Patria Grande latinoamericana. La Presidenta de Argentina dijo que la integración debe pasar por acuerdos concretos. Evo Morales abordó entonces, en la segunda plenaria de los Jefes de Estado, varios temas que consideramos fundamentales para el futuro concreto de esa integración. Dijo que necesitamos asumir una posición común en el tema del cambio climático, que a todos afecta y que en la Conferencia de la ONU que en estos días se celebra en Durban conoce un impasse debido a la renuencia de los países capitalistas centrales en renovar el Protocolo de Kyoto, que obliga a la reducción cuantificada de emisiones de gases causantes del efecto invernadero; advirtió que los científicos predicen, si ese compromiso no es renovado y reforzado, un aumento de 4 grados hasta 2020 en la temperatura del Planeta, con una elevación del nivel del mar que perjudicará a 60 millones de personas, y con una creciente falta de agua potable para 2 mil millones de humanos. Dijo Evo (mirando al Presidente de Colombia) que no es admisible que haya bases norteamericanas (o extranjeras, en general) en algún país latinoamericano-caribeño, pues ellas sirven para promover Golpes de Estado y oprimirnos, y que es urgente crear una nueva doctrina para las Fuerzas Armadas de la región, basada en la identidad y dignidad, ya que la actual, forjada en escuelas y eventos controlados por los EEUU, sólo ha servido para que esos ejércitos sean instrumento de represión y humillación contra nuestros pueblos. Propuso además Evo que se fortalezca un sistema financiero propio, para que financie los proyectos productivos de las comunidades, de los pequeños productores y de los Estados; el Presidente Chávez reiteró entonces su opinión de que los Estados de la región deberían repatriar sus reservas monetarias para un Fondo regional, en vez de tenerlas en Bancos de Europa o los EEUU (¿acaso confiamos más en esos bancos que en nosotros?, preguntó). Evo exigió también la creación de medios de comunicación regionales (que se sumen a Telesur y Radiosur) para divulgar información veraz, pues los actuales grandes medios privados son herramientas manipuladoras, defensoras de los intereses de los grandes empresarios (y de los EEUU), que no vacilan en montar y apoyar Golpes contra gobiernos populares. Y el Presidente boliviano concluyó expresando su convicción de que sólo tenemos futuro en el socialismo que algunos llaman comunitario, y otros “del siglo XXI”, del buen vivir, o del vivir bien (y que por mi parte veo apuntando al horizonte ecomunitarista).

Os debates e discussões do II Encontro e Diálogos com a Educação Ambiental (EDEA) estão na publicação intitulada Contribuições á Educação Ambiental, organizada por Humberto Calloni e Paulo Silva, a qual reúne falas, em forma de artigos, de palestrantes, cujas trajetórias são “pautadas pela e para a educação ambiental”, conforme tais organizadores.

La podem ser encontrados artigos com múltiplas visões a Educação Ambiental (EA), como o de Denise Martins Bloise e Carlos Frederico Loureiro, intitulado A Organização dos Agricultores Familiares de Natividade e a Educação Ambiental Crítica, onde os autores, entre outros aspectos, denunciam a ameaça que sofre a agricultura pelo uso de transgênicos.

Também consta na referida publicação o artigo Educação Ambiental: É Ela um “QUEFAZER” Neutro?, o qual chama a atenção para ação política que é o fazer educação.

Sirio Lopez Velasco discorre sobre sua singular proposta ecomunitarista, com o artigo A Educação Ambiental Transformadora: Introdução a Educação Ambiental Ecomunitarista.

Paula Corrêa Henning e Bárbara Hess Garré discorrem sobre a Educação Ambiental, Docência e Meio Ambiente: Modos de Produzir Sujeitos no Cenário Contemporâneo.

Também esta lá um artigo de Daniel Porciúncula Prado, intitulado Educação Ambiental Não-Formal: Intervindo na Realidade, no qual o autor destaca a importância dessa modalidade de EA na transformação local.

A publicação também conta com a participação do pioneiro em Direito Ambiental, advogado ambientalista Antônio Soler, membro da organização não governamental (ONG) Centro de Estudos Ambientais (CEA), através do artigo Zona Costeira: Educação e o Direito Ambiental, onde, a partir da experiência da referida ONG na práxis da ecologia política, comenta sobre “a gestão costeira, considerando dois instrumentos fundamentais para tal que são a EA e o DA, destacando aspectos da participação e da informação ambiental.” Acesse o artigo completo em https://centrodeestudosambientais.wordpress.com/nossos-textos.

O EDEA surgiu da iniciativa dos alunos do Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental da FURG (PPGEA), “diante da necessidade de refletir sobre o quefazer do educador ambiental”, segundo seus organizadores.

“A relação entre teoria e prática da pesquisa em EA e a reflexão acerca do papel do educador diante dos acontecimentos ambientais”, foram foram focados no I EDEA, durante 15 a 31 de outubro de 2008, reunindo docentes e discentes do PPGEA, representantes do Poder Público e sociedade civil.

De 11 a 14 de maio de 2011 aconteceu o 3º Encontro e Diálogos com a Educação Ambiental, no Centro Integrado de Desenvolvimento Costeiro e Oceânico (CIDEC-SUL), no Campus Carreiros, da Universidade Federal do Rio Grande (FURG), na cidade de Rio Grande/RS/Brasil, sobre o qual já foi anunciado pelos organizadores uma publicação.

Mais informações sobre a publicação: edeafurg@gmail.com ou ccpedamb@furg.br.

Veja mais: http://edeafurg.blogspot.com

midialivre

arte2

BannerForum120x240

codigoflorestal22

Assine e receba as atualizações do Blog do CEA por email. Basta clicar no link acima, ao abrir uma janela, coloque seu email, digite o código que aparece e confirme. Será enviado um email solicitando sua confirmação. Obrigad@.

Frase

“De tanto postergar o essencial em nome da urgência, termina-se por esquecer a urgência do essencial.” Hadj Garm'Orin

Apresentação

O Centro de Estudos Ambientais (CEA) é a primeira ONG ecológica da região sul, constituída em Rio Grande/RS/Brasil, em julho de 1983.

Nos siga no Twitter

Acessos desde 04/11/08

  • 1.265.797 Visitas

Campanhas e Parcerias

Flickr PIT 531 - Logotipo Pedal Curticeira - Pedal Curticeira2 um-carro-a-menos_outra2 Flickr

Flickr

Flickr

Visitantes on-line

Países Visitantes

free counters

Pesquise por Temas

Direito à Informação Ambiental

As publicações elaboradas e publicadas pelo CEA, bem como suas fotos são de livre reprodução, desde que não haja fins econômicos, que sejamos informados através do mail ongcea@gmail.com e com expressa citação da fonte nos termos a seguir: Fonte: Blog do Centro de Estudos Ambientais (CEA).
%d blogueiros gostam disto: