You are currently browsing the tag archive for the ‘Educação Ambiental’ tag.

Nos despedimos do blog “antigo”publicando nossos números em 2012.

Reforçamos nossos agradecimentos a todos e todas que contribuiram com a consolidação do nosso blog, com a luta ecológica.

E claro, convidamos a conhecer e contribuir com nosso novo espaço virtual de luta ecológica: http://ongcea.eco.br/

Os duendes de estatísticas do WordPress.com prepararam um relatório para o ano de 2012 deste blog.

Aqui está um resumo:

About 55,000 tourists visit Liechtenstein every year. This blog was viewed about 490.000 times in 2012. If it were Liechtenstein, it would take about 9 years for that many people to see it. Your blog had more visits than a small country in Europe!

(Cerca de 55.000 turistas visitam a cada ano o Liechtenstein. Este blog foi visto cerca de 490,000 vezes em 2012. Se fosse Liechtenstein, levaria cerca de 9 anos para que muitas pessoas para vê-lo. Seu blog teve mais visitas do que um pequeno país da Europa!)

Clique aqui para ver o relatório completo

Três minutos de muito antropocentrismo que nos fazem refletir sobre que mundo queremos para 2013 em diante.

Nós do Coletivo pela Sustentabilidade, queremos seguir construindo um mundo de mais luta ecológica para menos antropocentrismo (racismo, machismo, especismo, homofobia etc e tal).

E para esse mundo possível e necessário, que queremos em 2013, preparamos um blog novinho para reforçar a luta ecológica

que se faz cada vez mais essencial!

Ficha Técnica

Roteiro e Direção: Steve Cutts // País: Inglaterra // Ano:2012

Música: In the Hall of the Mountain King by Edvard Grieg.

facebook.com/SteveCuttsArt
twitter.com/#!/Steve_Cutts

Fonte: Vista-se

Enquanto preparamos um novo blog para recepcionarmos as percepções de Cíntia Barenho, em sua participação no V Encuentro Latinoamericano de Experiencias de Educación Popular Ambiental, publicamos os materiais produzidos pela Radio Mundo Real.

Medicina liberadora

En el V Encuentro Latinoamericano de Experiencias de Educación Popular Ambiental, coordinado por CEPRODESO y desarrollado del 11 al 14 de Diciembre de 2012 en Pinar del Río, Cuba, se resaltó que la problemática ambiental no se reduce al uso y acceso de los recursos naturales.

El espíritu del evento destacó la importancia de ampliar la mirada, reconocer como centrales las discusiones políticas y las estructuras de poder, mirar el entramado socio-ambiental como inseparable y en el hacer con la gente intentando buscar preguntas que abran nuevos caminos, para no transitar por aquellos que históricamente reproducen la opresión.

Radio Mundo Real dialogó con Juan Manuel Canales, médico del Hospital San Carlos de Chiapas, sur de México, quién destacó que el encuentro se caracteriza por las “ganas de querer transformar el pensamiento”.

Se busca un cambio que debe plantearse desde la puesta en diálogo de las luchas en los territorios y las opresiones que han mantenido históricamente a las poblaciones en un estado de alta vulnerabilidad, siendo una de las mayores vulnerabilidades las carencias en salud.

Reflejo de ello es que las nuevas miradas de la medicina surgen desde los espacios de lucha, resistencia, rebeldía. Con los movimientos de liberación nacional en los años 50’-60’, se recoge el pensamiento de la medicina liberadora, construcción paralela a la Teología de la Liberación, la cual se centra en liberarnos de las enfermedades que nos oprimen, “esas enfermedades son diabetes, hipertensión, obesidad y las enfermedades de la pobreza” señaló el médico.

Hoy en día, la medicina liberadora además es una alternativa a la medicina comercializadora y lucrativa.

El Hospital San Carlos, tiene 40 años de trayectoria construyendo una relación histórica estrecha con las comunidades indígenas tzeltales, tsotsiles y jocolawales por medio de servicios curativos, preventivos y formativos.

A través de sus diversos procesos, nos ilustra Juan Manuel, intenta acompañar y apoyar el fortalecimiento del trabajo y la vida comunitaria en el campo. Las acciones tienden a sociabilizar desde la medicina de la liberación el conocimiento de la medicina convencional a través de los promotores de salud.

Salud y territorio

Juan Manuel destacó que “nuestro sistema de salud en México está enfermo. No cubre, nuestro sistema tiene muchas mentiras, que la salud de los mexicanos ha mejorado, eso no es cierto. Hay 40 millones de mexicanos más pobres ahora.”

El hospital trabaja con comunidades autónomas zapatistas que están defendiendo el territorio, desobedeciendo al gobierno y construyendo autonomías. Trabaja con ellos porque ellos no asisten a los centros de salud del gobierno, como parte de las medidas de resistencia declaradas desde 1996. Esta población en resistencia tiene necesidades como servicios de salud y educación que ellos mismos resuelven, así “están construyendo su desarrollo, su futuro”.

La presencia de Juan Manuel en este Encuentro se remonta a las creencias de los pueblos indígenas que acompaña. Dentro de la cosmovisión Maya, base de los pueblos que conforman al movimiento zapatista, la tierra es parte del desarrollo de la vida, no está separado el medio ambiente de la vida, ni de la salud, o la enfermedad.

Desde esta mirada defender la salud es “defender el territorio para que no los socaven” concluyó el médico chiapaneco.

Fonte: http://www.radiomundoreal.fm/Medicina-liberadora?lang=es

Enquanto preparamos um novo blog para recepcionarmos as percepções de Cíntia Barenho, em sua participação no V Encuentro Latinoamericano de Experiencias de Educación Popular Ambiental, publicamos os materiais produzidos pela Radio Mundo Real.

V Encuentro Latinoamericano de Experiencias de Educación Popular Ambiental,

Usando a arte como linguagem de Educação Ambiental. V Encuentro Latinoamericano de Experiencias de Educación Popular Ambiental. Foto: Cíntia Barenho/CEA

Big-bang callejero

“Anoche soñé que soñar no era un pecado, sino apagarles los sueños. A encenderles los sueños, a iluminarle los sueños a los que ya los tienen muertos, a los que los tienen apagados” señaló a Radio Mundo Real Luís Manuel Valdéz al ser invitado a compartir un mensaje a aquellos artistas latinoamericanos a quienes se les ha castrado sus sueños y hoy reclaman el derecho de soñar en medio de contextos de dominación y represión social.

Luis Manuel hace parte del proyecto Big Bang Callejero, quienes colaboraron con el V Encuentro Latinoamericano de Experiencias de Educación Popular Ambiental en Pinar del Río – Cuba, y hacen estructuralmente parte del proceso de educación popular ambiental con el Centro de Educación y Promoción para el Desarrollo Sostenible: CEPRODESO.

El proyecto sociocultural Big Bang Callejero busca como objetivo fundamental sensibilizar a los diversos factores sociales y grupos comunitarios con su realidad socioambiental a través de los diferentes códigos artísticos para incidir en la auto transformación de los actores y su contexto.

También pretende crear capacidades para elevar la calidad de vida de aquellos que se inserten en los espacios de creación potenciando la infraestructura, fortaleciendo el papel de la mujer en la sociedad, instaurando fuentes de ingresos económicos para la población e impulsando de esta manera el desarrollo comunitario.

El proyecto puso su arte en función del V Encuentro celebrado en Cuba. “Obviamente el aporte nuestro tiene que ser, desde el arte que hacemos, dejar claro y comunicar de qué va lo que estamos haciendo en la calle y las principales lógicas de lo que está sucediendo en nuestro contexto. Nosotros luchamos también porque queremos un socialismo mejor, porque queremos una mejor Cuba, porque queremos transformar parte de lo que obviamente vemos que sobra. Queremos deshacer en la sociedad los obstáculos, el verticalismo, el machismo que todavía queda en la sociedad” señaló el artista en diálogo con nuestro corresponsal en el encuentro de educadoras y educadores ambientales, Danilo Urrea.

En el Encuentro, Big Bang Callejero participó con la facilitación de una de las comunidades de práctica referida a los códigos alternativos y su función en la educación popular ambiental.

Frente a este trabajo y su concepción, Valdéz señaló que los códigos alternativos deben ponerse en función de la transformación, en una apuesta por su generación, por sus tiempos, por la realidad de los conflictos que se están viviendo como sociedad. La creación de un sujeto colectivo, más allá de la individualidad de artistas, debe preocuparse por un sujeto colectivo mayor que son las comunidades, o el país, incluso los demás países, reflexionó.

En las actividades desarrolladas durante los días pasados en Pinar del Río, el proyecto Big Bang Callejero realizó la exposición La piel de TECMA, en un espacio del corazón de la ciudad recuperado por el proyecto. El artista cubano expresó que “lo más fuerte es que fue muy duro tener el espacio. Es un edificio que fue historia porque allí torturaron a los que formaron parte de la lucha en el 26 de julio (de 1953) en Pinar del Río, ahí fueron torturadas y fueron asesinadas muchísimas personas. Luego era un baño público, un lugar donde se metían los aberrados sexuales, los exhibicionistas, un espacio donde las personas botaban sus basuras y los escombros de las reparaciones en sus casas, donde había una fosa al aire libre, los baños descargaban ahí, y nosotros llegamos a jugárnosla con eso, era inframundánico el espacio”.

A partir del trabajo de recuperación del edificio, la gente se dio cuenta que era un trabajo con un propósito interesante y la comunidad acompañó el proceso, desde los niños hasta los adultos.

La comunidad agradeció que en el Encuentro Latinoamericano se inaugurara el espacio, como escenario de transformación de la realidad desde el sentido invasor del arte para hacer un mejor país desde las libertades para participar activamente.

Fonte: http://www.radiomundoreal.fm/Big-bang-callejero?lang=es

Enquanto preparamos um novo blog para recepcionarmos as percepções de Cíntia Barenho, em sua participação no V Encuentro Latinoamericano de Experiencias de Educación Popular Ambiental, publicamos os materiais produzidos pela Radio Mundo Real.  Também fizemos uma entrevista com Jesús Figueredo, porém em vídeo. Assim que a edição estiver finalizada estaremos publicando no blog.

V Encuentro Latinoamericano de Experiencias de Educación Popular Ambiental,

Jesús Figueredo, durante o V Encuentro Latinoamericano de Experiencias de Educación Popular Ambiental. Foto: Cíntia Barenho/CEA

Entrevista com Jesús Figueredo do Centro Memorial Dr. Martin Luther King Jr.

De 12 a 14 de dezembro foi realizado o V Encontro Latino-americano de Experiências de Educação Popular Ambiental na cidade cubana de Pinar del Río. O encontro convocou educadores populares ambientais da Argentina, Brasil, Guatemala, México, Colômbia, Venezuela, Peru e Cuba, com uma participação de 80 homens e mulheres.
Após 10 anos de articulação de experiências, o desafio apresentado pelo Centro de Educação e Promoção para o Desenvolvimento Sustentável -CEPRODESO-, que foram os anfitriões e criadores históricos deste cenário, consistiu em fazer dialogar as experiências de educação popular ambiental sobre os sentidos e a incidência política destas práticas.

O Encontro também foi realizada como parte dos esforços para continuar socializando os porquês e “para quês” das lutas ambientais, e fazê-lo não só a partir da experiência, mas também desde o sujeito social que compõe as redes de construção coletiva.

Rádio Mundo Real, através de seu correspondente Danilo Urrea, esteve presente em Pinar del Río e conversou com Jesús Figueredo, integrante do Centro Memorial Dr. Martin Luther King Jr., e que colabora no programa de educação popular e acompanhamento de experiências locais. Jesús também faz parte da Rede de Educadoras e Educadores Populares de Cuba e da Rede de Educação Popular Ambiental.

Um giro conceitual

Partindo da educação ambiental clássica que se desenvolvia nos anos oitenta, as organizações cubanas começaram a se transformar e fizeram um giro fundamental cerca da Cúpula da Terra de 1992 no Rio de Janeiro, mudando a perspectiva desde uma crítica profunda à educação ambiental e suas limitações de leitura das relações entre seres humanos e natureza.

O “Período especial” em Cuba, iniciado na década de ’90 e que, conforme Figueredo poderia se dizer que ainda se mantém, revela uma crise econômica com consequências nas relações entre os seres humanos e deles com a natureza. Isso se traduz em uma ruptura e transformação desde a ética e a moral do povo cubano, gerando-se o surgimento de um novo enfoque de educação em relação ao ambiental do popular.

O V Encontro foi realizado através de uma feira de experiências que reuniu comunidades de prática como sujeito coletivo de análise e debate. Una destas comunidades foi a de formação e articulação.

“Existem pelo menos três elementos essenciais que temos discutido a partir de nossas práticas, falamos de uma comunidade de prática, mas não é uma comunidade que não leva em conta a individualidade, as experiências, a praxis de cada pessoa. Daí, marcamos três elementos básicos: o sentido político e a incidência política da educação popular ambiental; o elemento da epistemologia, como construímos uma outra epistemologia, precisamente dos sentidos políticos, da visão holística integradora de um trabalho ambiental e sobretudo formativo; e a dimensão ética desse sentido político e dessa construção de conhecimento, dessa episteme”, expressou Figueredo.

Natureza como sujeito social

A desconstrução das relações de poder de dominação constitui-se como elemento transversal de análise, partindo da passagem de uma educação popular muito focada nas relações sociais, a uma que vê a natureza como um sujeito mais do sistema de relação.

E ao falar do sentido político da educação popular houve referência à intenção de transformar os padrões de relação de dominação que se reproduzem nas relações entre os seres humanos e com a natureza.

“Para chegar a esse sentido político e ser coerente com ele, tomamos nossos espaços de formação como processos vivenciais, o que significa levar em conta dois elementos das estratégias de ensino/aprendizagem que colocamos em prática. Um é a dinâmica dos grupos de pessoas que vão trabalhar e desenvolver esses espaços; e o outro o temático, os conteúdos, os conhecimentos que são colocados em socialização dentro dessa dinâmica”.

A construção de um saber coletivo, em termos de uma nova epistemologia para a colocação em andamento da educação popular, produziu no Encontro a reflexão sobre as formas de produzir o conhecimento. Nesta perspectiva, o diálogo de saberes e o âmbito relacional foram valorizados pelos assistentes como elemento determinante da outra epistemologia. Sobre isto Figueredo indicou que “os enfoques os fazemos a partir de um sistema sócio-natural, não falamos de sociedade – natureza, falamos de sujeitos que co-habitam um sistema sócio-natural […] A visão é cosmo-cêntrica e não tanto antropocêntrica, não tanto centrada no ser humano mas sim na relação desse sistema, creio que essa é outra epistemologia que estamos construindo”.

A ética no centro

Nos debates que gerou o Encontro, o elemento da dimensão ética na educação popular ambiental foi apresentada como não necessariamente coincidente com as normas estipuladas, com o moral e socialmente aprovado.

O elemento ético foi projetado como a consideração dos outros seres humanos como sujeitos e não como objetos dentro dos sistemas de relação. “São processos nos quais não vamos somente com a função de ensinar, devemos ir com a atitude também de aprender, não pode ir só com a atitude de questionar, mas sim de deixar questionar dos significados das pessoas. É aí onde começa a construção de outro tipo de epistemologia, de outro tipo de conhecimento, somando-se a visão sistêmica, holística, e ao mesmo tempo é muito ético levar em conta que o outro não é o objeto que eu utilizo, que eu domino, que eu manipulo; e a educação popular tem feito isto como um eixo fundamental de luta”, destacou o educador ao entregar suas análises do que foi a comunidade de prática de formação e articulação, e seus debates como sujeito coletivo.

Fonte: http://www.radiomundoreal.fm/Formacao-e-articulacao-socio?lang=pt

Enquanto preparamos um novo blog para recepcionarmos as percepções de Cíntia Barenho, em sua participação no V Encuentro Latinoamericano de Experiencias de Educación Popular Ambiental, publicamos os materiais produzidos pela Radio Mundo Real

Numa isla verde e revolucionária

Revolução é construir. Foto: Cíntia Barenho/CEA

Articulación de esperanza

“En el Perú actualmente, a nivel país, estamos viviendo una avalancha de las industrias extractivas y esta avalancha está haciendo que nuestras comunidades campesinas, donde se encuentran los minerales, estén de alguna manera arrinconadas” señaló a Radio Mundo Real Gloria Velazco en el V Encuentro Latinoamericano de Experiencias de Educación Popular Ambiental.

La dirigente, quien hace parte del Centro para el Desarrollo de los Pueblos -CEDEP Ayllu-, organización que acompaña en el Cuzco a las comunidades campesinas e indígenas en temas de derechos, dialogó con nuestro corresponsal en el encuentro latinoamericano, Danilo Urrea, expresando su preocupación por el crecimiento de las concesiones mineras que están arrebatando los territorios.

A pesar de la esperanza que las organizaciones depositaron en la llegada del presente gobierno, del presidente Ollanta Umala, Velazco señaló el grave momento actual de criminalización de la protesta, y la protección del Estado a las industrias que generan conflictos en el país por la explotación de los patrimonios naturales.

Sin embargo, para Velazco hay intenciones mucho más interesantes a nivel región y país de organizaciones y movimientos sociales que están articulados con movimientos más internacionales, que a pesar del viraje del gobierno, pretenden trabajar fuertemente el proceso educativo desde las bases. El proceso de construcción de la base social se trabaja desde cada localidad, y en casos como el de Conga hay una respuesta de la población organizada, con procesos de trabajo de muchos años y donde la defensa del agua “es una luz, una esperanza de defensa de la vida”.

Para la dirigente, las experiencias de los países presentes en el Encuentro, y explícitamente la articulación del trabajo en Cuba “ayuda a ver también cómo nosotros podemos entrar a trabajar en movimientos mucho más de país y no sólo en contextos más pequeños. Desde la institución nuestra trabajamos hace mas de 12 años de manera ininterrumpida todo el tema de proceso formación de líderes, porque todo cambio del ser humano es un proceso, intentamos construir una comunidad diferente a la que hemos encontrado pero con la participación de ellos, con la propuesta de ellos”.

Los países denominados andinos, como el Perú, están siendo en este momento invadidos por las corporaciones trasnacionales, generando relaciones de explotación y dominación que actualmente llevan a una profunda crisis en los territorios ancestrales y tradicionales de campesinos, afro-descendientes y comunidades indígenas.

El Encuentro permitió pensar la posibilidad de articular redes regionales que permitan avances concretos en la construcción de procesos de educación popular ambiental que enfrente estas contradicciones. Según la activista peruana “nuestros países latinoamericanos, si hablo de la cultura inca, han estado siempre unidos, y eso es lo que hemos dejado. Creo que debemos retomar algunas cosas que anteriormente se hacían, las fronteras son quizás de los seres humanos, de nosotros mismos, y cómo rompemos esas brechas para hacer que esa avalancha no nos siga dañando cada vez más. Una de las cosas que debemos revisar también es nuestra historia, y esa historia está ahí, entonces cómo también hacemos que nuevamente podamos unirnos como hermanos latinoamericanos, finalmente somos uno, porque aisladamente no se puede hacer mucho”.

Fonte : Radio Mundo Real

Para começar nosso “Especial CEA em Cuba”, iniciamos com um pouco da música cubana, a música engajada na luta ecológica, na Educação Popular dos Cubanos e Cubanas em la Red. O grupo trabalha desenvolvendo a educação popular ambiental através da música nas comunidades.

Apresentamos aqui o  videoclip institucional para Cubanos en la Red y el Movimiento Agroecológico Latinoamericano:

Esse time-lapse feito pelo Jamie Scott começa como vários outros, mostrando as mudanças de estações através do movimento do sol, mas em seguida ele começa a mostrar isso através da das folhas das árvores, lindo demais. Para fazer o vídeo ele visitou 15 lugares no Central Park duas vezes por semana durante seis meses, registrando sempre as posições da câmera e as informações das lentes para criar consistência.

Fonte: http://pontoeletronico.me/2012/11/29/fall/

Amanhã, 10 de dezembro, Cíntia Barenho, vai à ilha socialista, compartilhar com companheir@s latinoamericanos e caribenhos, nossas vivências e experiências em Educação Ambiental desenvolvidas ao longo dos nossos quase 30 anos de luta ecológica.

O convite surgiu durante a Cúpula dos Povos/Rio+20, quando conheceu cubanos e cubanas, ligados ao Centro Martin Luther King Jr e ao Centro de Educación y Promoción para el Desarrollo Sostenible (CEPRODESO), projeto do Museo de Historia Natural de Pinar del Rio em Cuba.

O Encuentro latinoamericano y Caribeño de Experiencias en Desarrollo de Educación Popular Ambiental acontecerá de 11 a 15 de dezembro, no CEPRODESO que se encuentra en el Museo de Historia Natural “Tranquilino Sandalio de Noda”, ubicado en un lugar céntrico de la ciudad de Pinar del Río, a 2 horas desde La Habana.

Para Cíntia Barenho, que participará do encontro, será uma importante oportunidade para compartilhar a experiência do CEA em Educação Ambiental, Ativismo Ecológico e Direito Ambiental. Na mala levará um pouco da história do CEA, através de publicações, fotos, vídeos, materiais diversos, e de sua experiência no coletivo. Pretende trazer uma mala de muitas trocas e vivências para partilhar com os demais integrantes do CEA e também com os leitores do blog.

 Cíntia imagina que Cuba tem muito a contribuir com a EA desenvolvida nos demais países, uma vez que vive em outro sistema econômico e a duras penas, precisou se adaptar com o fim da União Soviética. Mesmo não vivendo no paradigma do capitalismo, durante a Guerra Fria, os subsídios da Rússia não promoveram uma proteção e conservação ambiental . Assim, com o fim do socialismo, no leste europeu, e com o embargo americano viram-se obrigados a adaptarem-se para sobreviver. Logo a agricultura precisou torna-se ecológica, multiplicaram-se as hortas urbanas, a racionalização do petróleo foi imediata, o uso da bicicleta foi intensificado e, claro, o consumo de bens foi suspenso. (Veja mais em: Documentário sobre como Cuba sobreviveu ao pico do petróleo)

A integrante do CEA afirma que ao mesmo tempo, nós podemos problematizar o fazer Educação Ambiental no paradigma do capitalismo. Para nós do CEA, essa EA tem adjetivação: é crítica, transformadora e emancipatória. Portanto é um desafio constante pois essa EA pressupõe uma mudança de paradigma. Necessita uma nova organização social justa, igualitária (sem racismo, sexismo, homofobia), não consumista e, de fato, não antropocêntrica.

Esperamos que ao retornar, possamos fortalecer nossos processos já desenvolvidos, quiçá planejar novas ações em EA no escopo dos 30 anos do coletivo pela sustentabilidade não antropocêntrica.

Abaixo segue a convocatória do Encontro Leia o resto deste post »

Charge de Santiago

Desde que começamos o blog, há 4 anos atrás, recorremos aos cartunistas gaúchos, especialmente à Grafar ( Grafistas Associados do Rio Grande do Sul) para ilustrarmos nossos posts com seus cartuns/charges/caricaturas/HQs.

Por isso que no próximo dia 17 de dezembro, dia dedicado ao Pampa (e também aniversário de Lutzenberger), estaremos promovendo uma Exposição Virtual de “riscos-rabiscos” já publicados, por nossos cartunistas, e que são ilustrativos dos riscos eminentes (desertos verdes, queimadas…) e das belezas do Pampa. Qualquer dia desses ainda bancaremos uma exposição inédita.

Aguardem!!

Justicia para los pueblos, justicia para los ríos

É um mistério o porquê da cor rosa deste lago. Sua beleza exótica é incrível. E tem gente que acha, ou melhor, que banca no capitalismo a possibilidade de mercantilizar, precificar a natureza….

lake hillier pink lake in australia (5)

Photo by Jean Paul Ferrero/Ardea/Caters News (via Exposing the Truth

Veja mais fotos e reportagem completa AQUI

ATUALIZADO COM AS CHARGES/CARTUNS

por Cíntia Barenho

O papo aconteceu ontem, 28/11, com intuito de fornecer os fatos básicos sobre assuntos que estão na ordem do dia de quem faz charge, cartum, caricatura e HQ. Segundo os organizadores: “Quem acompanha o humor gráfico publicado no país observa que muitos chargistas e cartunistas simplesmente tratam de certos temas e personagens sem conhecê-los, com resultados medíocres ou equivocados, desinformando e surpreendendo (negativamente) os leitores. Têm opinião, o que é legítimo, mas não têm conhecimento, o que é desastroso.

Nesse sentido, a Grafar – Grafistas Associados do Rio Grande do Sul –  que já tem 25 anos organização, procura colaborar na formação dos artistas gráficos.

O primeiro papo proposto, tratou da questão dos TRANSGÊNICOS, com grafariano VECENTE, profissional do ramo da agronomia e cartunista, mediando o papo.

Transgênicos: “Você Sabe do Quê Está Falando?”

Desde o final dos anos 70 estuda-se os transgênicos (Organismos Geneticamente Modificados-OGM). Nos anos 80, nos EUA, já haviam plantas transgênicas. Já em 1994 houve a primeira liberação comercial de transgênicos, com o tomate.

No RS o início dos transgênicos se dá por 1997, com a entrada da soja transgênica pela Argentina, conhecida por soja maradona. Mesmo entrando ilegalmente no país e mesmo com toda a luta das entidades ecologistas, em 2005 o governo sancionou a lei de biossegurança, legalizando o que era ilegal até então.

Hoje estima-se que 99% das lavouras de soja no RS sejam transgênicas. Ou seja, já são 4 milhões de hectares de transgênicos. Já no Brasil a conta é de 82%. Além disso, o custo de royalties, para cada lavoura, é 3% para as empresas multinacionais. Mesmo sabendo que a tecnologia tem “dono” há uma batalha judicial para não pagamento dos royalties.

Os trabalhos gráficos selecionados mostram mensagens equivocadas sobre os transgênicos, de defesa do uso dos transgênicos, que ironizam os efeitos colaterais. Tratam muitas vezes como um “mito do Frankenstein”, no qual problematizam o poder da ciência e o receio das consequências de tal poder.

Infelizmente muitas das charges tratam de forma ambígua e equivocado o assunto dos transgênicos. Muitas vezes reforçando o mito que os transgênicos iriam resolver o problema da fome e da miséria.

Poucos problematizam a hipocrisia da indústria agrícola, que “vendeu” a ideia de que os transgênicos resolveriam o problema da fome mundial e do uso dos agrotóxicos.  A indústria dos transgênicos nunca buscou mudar o modelo de produção e exploração agrícola. Os transgênicos vieram para manter o modelo de produção, contribuir para a extração da mais valia capitalista neo-liberal, trazendo maior endividamentos aos produtores rurais e uma maior dependência aos pacotes tecnológicos vendidos por empresas multinacionais, e, infelizmente incentivados pelo poder público, pela assistência técnica, pelas universidades. E mais, trouxe um maior e intenso uso dos agrotóxicos, agora desenvolvidos especialmente para cada tipo de semente transgênica.

Assim, reforçam um modelo de produção e consumo conveniente não para a saúde ou para a preservação/conservação ambiental, mas sim conveniente ao enriquecimento ilícito de meia dúzia de empresas transnacionais transgênicas.

Ciclo de palestras ilustradas da Grafar

Bar Tutti Giorni

Transgênicos (história, evolução, controvérsias).

Expositor: Vecente

Organização: Guilherme Moojen e Edgar Vasques

Marco Gottinari: Lançamento do CD Tudo uma Canção

Marco Gottinari: violão, flautas e violinos. Foto: Cíntia Barenho/CEA

 “Um milagre somente acontece

Depois que a mente pede, logo esquece

Deita tudo na mão do destino

Somos homens, anjos, seres divinos

….Quero ver um sorriso na boca do povo…”

por Cíntia Barenho

Na última quarta-feira, 24/10, aconteceu em Porto Alegre o lançamento do disco “Tudo uma Canção”de Marco Gottinari.

Na plateia muitos pelotenses, portoalegrenses, mas especialmente pessoas que já conviveram  e admiram a família musical e ecológica dos Gottinarri, que vivem no Templo das Águas na Colônia Maciel de Pelotas/RS.

No palco Gottinari, além de cantar suas belas canções com a “tipo banda” (como ele mesmo denomina seus parceiros musicais de palco) ele brinca e diverte o público. Nada passa despercebido às piadinhas que ele faz no palco, até mesmo com seu filho, parceiro musical, no qual disse que ainda vai gravar junto um disco tipo “pop”.

Marco Gottinari: Lançamento do CD Tudo uma Canção

Marco Gottinari e seu banquinho de taquara+violão. Foto Cíntia Barenho/CEA

No seu banquinho de taquara, desenvolvido especialmente para o show, entre uma arrumação e outra, ele conta vários causos de sua vida, de sua música.

Em determinado momento, chama seu irmão, que junto com crianças de um projeto social de Pelotas, abrilhantam ainda mais o espetáculo, com suas flautas e violinos.

“o avesso do fim renascer”

Agora o que chama atenção é o fato que a música entrou de fato na sua vida em 2004, como uma salvação à agricultura agrotóxica desenvolvida por Gottinari.

Em 2004 um incêndio em galpão da propriedade, fez com que todo seu aparato de agricultura fosse destruído. Diante de tal “tragédia” veio seu renascer. Ele nos conta, que na época, plantando tomate, eram cerca de 100 aplicações de agrotóxicos no ciclo de plantação (cerca de 3 meses).

“Eu alimentava vocês com agrotóxicos, com veneno!” Grita ele do palco.

Querendo sair daquela vida escrava dos agrotóxicos, mas endividado no Banco, aos poucos foi se reerguendo com a música. Inclusive ele problematizou que ao buscar a agricultura ecológica para trabalhar, enfrentou as dificuldades de não acesso a financiamento, já que os bancos (e públicos) financiam as lavouras envenenadas.

Como ele mesmo canta “um milagre somente acontece… depois que a mente pede…deita tudo na mão do destino”, aos poucos o Templo das Águas foi se formatando, a música foi se consolidando e hoje vivem, não com muito dinheiro, mas com a dignidade necessária.

“Depois que as cidades desaparecerem ficam os matos.”

O Templo das Águas, localiza-se a uns 37km de Pelotas. Como o próprio nome indica é local de águas abundantes, com cachoeira alimentada pelo arroio Pelotas, além de ter piscina de pedra, turbilhões e duchas naturais.

A propriedade conta com trilhas, um sistema Agro Florestal e um labirinto de bambus/taquaras. A permacultura, a agricultura ecológica orientam todo o desenvolvimento do Templo.

Há uma série de portais moldados para embelezar ainda mais.

O local também já serviu de locação para um seriado global, mas isso é o menos relevante, diante da beleza natural do local.

“Coloque a semente no barro

o barro para proteger

depois ofereça pra terra

que ela acolhe com todo o prazer”

Conheci e convivi bastante com Marco e Marta durante o desenvolvimento do projeto “Construindo a Agenda 21 de Pelotas”, desenvolvido pela SQA com recursos do FNMA/MMA, em parceria com entidades de Pelotas. Nós do CEA atuávamos na Orla da Laguna dos Patos e a Teia Ecológica na Colônia de Pelotas. Marta e Marco engajaram-se nas ações do projeto, que coincidiu com o momento de transição para a agricultura ecológica, para a permacultura.

Marco chimarreando antes do show com Dercio Marques, em Pelotas/2005. Foto: Cíntia Barenho/CEA

Depois disso, fizemos alguns projetos culturais juntos, como da vinda do violeiro Dercio Marques à Pelotas, que partiu recentemente.

Sementes boas plantadas na terra fértil de Pelotas, que atualmente amarga processos anti-ecológicos, especialmente se olharmos para a Orla da Laguna dos Patos e para o incentivo à Cultura.

“Recolhi no quintal

folhas e frutos para todo o mal

entre as mãos fiz abençoar

alecrim, gerivá, hortelã, butiá

zepelim eu quero voar”

Voltando ao show é merecido o destaque aos coquinhos distribuídos ao público, por Gottinari. Segundo ele, a base de sua alimentação e energia necessária, desde quando trabalhava como diaristas nas colheitas locais até hoje no seu dia-a-dia mais ecológico. Brincou que quando trabalhava, mesmo sendo muito franzinho, foi o  coquinho que fez ele conquistar o recorde na colheita do pêssego: “enchi um caminhão apenas num dia, só não foi mais, porque faltou caixas”.

O coquinho de gerivá (ou jerivá) remete a minha infância, muito quebrei coquinho para comer a amêndoa que havia dentro. Obviamente não me furtei em trazer num saquinho alguns para comer em casa.

Disco produzido pela Nativu Design, ilustrado com belas fotos do Templo das Águas, letras das músicas e um bambuzinho para dar um ar mais ecológico. Destaque para a licença Creative Commons, que permite cópia e compartilhamento do disco. Como bem disse Marco, quanto mais gente nos conhecer melhor!

E para finalizar, além de comprar o disco “Tudo uma canção”, recheado de canções extremamente ecológicas e muito bem produzido em Pelotas, também voltei cheia de Cavalinha e Macela. Essas ervas estavam dispostas na decoração do palco e ao final do show, gentilmente todos e todas foram convidadas a levar essas ervas santas para casa e seguir na luta ecológica, já que, como canta Marco “o sol ta mudando de cor…a terra pedindo socorro”.

Deixo aqui mais uma bela canção desse disco, Deus de Paus, produção do Rastro Selvagem

Se quiser saber mais sobre o Templo das Águas, veja no Facebook: AQUI

Veja mais fotos do show AQUI

midialivre

arte2

BannerForum120x240

codigoflorestal22

Assine e receba as atualizações do Blog do CEA por email. Basta clicar no link acima, ao abrir uma janela, coloque seu email, digite o código que aparece e confirme. Será enviado um email solicitando sua confirmação. Obrigad@.

Frase

“De tanto postergar o essencial em nome da urgência, termina-se por esquecer a urgência do essencial.” Hadj Garm'Orin

Apresentação

O Centro de Estudos Ambientais (CEA) é a primeira ONG ecológica da região sul, constituída em Rio Grande/RS/Brasil, em julho de 1983.

Nos siga no Twitter

Acessos desde 04/11/08

  • 1,159,566 Visitas

Campanhas e Parcerias

Flickr PIT 531 - Logotipo Pedal Curticeira - Pedal Curticeira2 um-carro-a-menos_outra2 Flickr

Flickr

Flickr

Visitantes on-line

Países Visitantes

free counters

Pesquise por Temas

Direito à Informação Ambiental

As publicações elaboradas e publicadas pelo CEA, bem como suas fotos são de livre reprodução, desde que não haja fins econômicos, que sejamos informados através do mail ongcea@gmail.com e com expressa citação da fonte nos termos a seguir: Fonte: Blog do Centro de Estudos Ambientais (CEA).
%d blogueiros gostam disto: