You are currently browsing the tag archive for the ‘Cuba’ tag.

Enquanto preparamos um novo blog para recepcionarmos as percepções de Cíntia Barenho, em sua participação no V Encuentro Latinoamericano de Experiencias de Educación Popular Ambiental, publicamos os materiais produzidos pela Radio Mundo Real.

Medicina liberadora

En el V Encuentro Latinoamericano de Experiencias de Educación Popular Ambiental, coordinado por CEPRODESO y desarrollado del 11 al 14 de Diciembre de 2012 en Pinar del Río, Cuba, se resaltó que la problemática ambiental no se reduce al uso y acceso de los recursos naturales.

El espíritu del evento destacó la importancia de ampliar la mirada, reconocer como centrales las discusiones políticas y las estructuras de poder, mirar el entramado socio-ambiental como inseparable y en el hacer con la gente intentando buscar preguntas que abran nuevos caminos, para no transitar por aquellos que históricamente reproducen la opresión.

Radio Mundo Real dialogó con Juan Manuel Canales, médico del Hospital San Carlos de Chiapas, sur de México, quién destacó que el encuentro se caracteriza por las “ganas de querer transformar el pensamiento”.

Se busca un cambio que debe plantearse desde la puesta en diálogo de las luchas en los territorios y las opresiones que han mantenido históricamente a las poblaciones en un estado de alta vulnerabilidad, siendo una de las mayores vulnerabilidades las carencias en salud.

Reflejo de ello es que las nuevas miradas de la medicina surgen desde los espacios de lucha, resistencia, rebeldía. Con los movimientos de liberación nacional en los años 50’-60’, se recoge el pensamiento de la medicina liberadora, construcción paralela a la Teología de la Liberación, la cual se centra en liberarnos de las enfermedades que nos oprimen, “esas enfermedades son diabetes, hipertensión, obesidad y las enfermedades de la pobreza” señaló el médico.

Hoy en día, la medicina liberadora además es una alternativa a la medicina comercializadora y lucrativa.

El Hospital San Carlos, tiene 40 años de trayectoria construyendo una relación histórica estrecha con las comunidades indígenas tzeltales, tsotsiles y jocolawales por medio de servicios curativos, preventivos y formativos.

A través de sus diversos procesos, nos ilustra Juan Manuel, intenta acompañar y apoyar el fortalecimiento del trabajo y la vida comunitaria en el campo. Las acciones tienden a sociabilizar desde la medicina de la liberación el conocimiento de la medicina convencional a través de los promotores de salud.

Salud y territorio

Juan Manuel destacó que “nuestro sistema de salud en México está enfermo. No cubre, nuestro sistema tiene muchas mentiras, que la salud de los mexicanos ha mejorado, eso no es cierto. Hay 40 millones de mexicanos más pobres ahora.”

El hospital trabaja con comunidades autónomas zapatistas que están defendiendo el territorio, desobedeciendo al gobierno y construyendo autonomías. Trabaja con ellos porque ellos no asisten a los centros de salud del gobierno, como parte de las medidas de resistencia declaradas desde 1996. Esta población en resistencia tiene necesidades como servicios de salud y educación que ellos mismos resuelven, así “están construyendo su desarrollo, su futuro”.

La presencia de Juan Manuel en este Encuentro se remonta a las creencias de los pueblos indígenas que acompaña. Dentro de la cosmovisión Maya, base de los pueblos que conforman al movimiento zapatista, la tierra es parte del desarrollo de la vida, no está separado el medio ambiente de la vida, ni de la salud, o la enfermedad.

Desde esta mirada defender la salud es “defender el territorio para que no los socaven” concluyó el médico chiapaneco.

Fonte: http://www.radiomundoreal.fm/Medicina-liberadora?lang=es

Enquanto preparamos um novo blog para recepcionarmos as percepções de Cíntia Barenho, em sua participação no V Encuentro Latinoamericano de Experiencias de Educación Popular Ambiental, publicamos os materiais produzidos pela Radio Mundo Real.

V Encuentro Latinoamericano de Experiencias de Educación Popular Ambiental,

Usando a arte como linguagem de Educação Ambiental. V Encuentro Latinoamericano de Experiencias de Educación Popular Ambiental. Foto: Cíntia Barenho/CEA

Big-bang callejero

“Anoche soñé que soñar no era un pecado, sino apagarles los sueños. A encenderles los sueños, a iluminarle los sueños a los que ya los tienen muertos, a los que los tienen apagados” señaló a Radio Mundo Real Luís Manuel Valdéz al ser invitado a compartir un mensaje a aquellos artistas latinoamericanos a quienes se les ha castrado sus sueños y hoy reclaman el derecho de soñar en medio de contextos de dominación y represión social.

Luis Manuel hace parte del proyecto Big Bang Callejero, quienes colaboraron con el V Encuentro Latinoamericano de Experiencias de Educación Popular Ambiental en Pinar del Río – Cuba, y hacen estructuralmente parte del proceso de educación popular ambiental con el Centro de Educación y Promoción para el Desarrollo Sostenible: CEPRODESO.

El proyecto sociocultural Big Bang Callejero busca como objetivo fundamental sensibilizar a los diversos factores sociales y grupos comunitarios con su realidad socioambiental a través de los diferentes códigos artísticos para incidir en la auto transformación de los actores y su contexto.

También pretende crear capacidades para elevar la calidad de vida de aquellos que se inserten en los espacios de creación potenciando la infraestructura, fortaleciendo el papel de la mujer en la sociedad, instaurando fuentes de ingresos económicos para la población e impulsando de esta manera el desarrollo comunitario.

El proyecto puso su arte en función del V Encuentro celebrado en Cuba. “Obviamente el aporte nuestro tiene que ser, desde el arte que hacemos, dejar claro y comunicar de qué va lo que estamos haciendo en la calle y las principales lógicas de lo que está sucediendo en nuestro contexto. Nosotros luchamos también porque queremos un socialismo mejor, porque queremos una mejor Cuba, porque queremos transformar parte de lo que obviamente vemos que sobra. Queremos deshacer en la sociedad los obstáculos, el verticalismo, el machismo que todavía queda en la sociedad” señaló el artista en diálogo con nuestro corresponsal en el encuentro de educadoras y educadores ambientales, Danilo Urrea.

En el Encuentro, Big Bang Callejero participó con la facilitación de una de las comunidades de práctica referida a los códigos alternativos y su función en la educación popular ambiental.

Frente a este trabajo y su concepción, Valdéz señaló que los códigos alternativos deben ponerse en función de la transformación, en una apuesta por su generación, por sus tiempos, por la realidad de los conflictos que se están viviendo como sociedad. La creación de un sujeto colectivo, más allá de la individualidad de artistas, debe preocuparse por un sujeto colectivo mayor que son las comunidades, o el país, incluso los demás países, reflexionó.

En las actividades desarrolladas durante los días pasados en Pinar del Río, el proyecto Big Bang Callejero realizó la exposición La piel de TECMA, en un espacio del corazón de la ciudad recuperado por el proyecto. El artista cubano expresó que “lo más fuerte es que fue muy duro tener el espacio. Es un edificio que fue historia porque allí torturaron a los que formaron parte de la lucha en el 26 de julio (de 1953) en Pinar del Río, ahí fueron torturadas y fueron asesinadas muchísimas personas. Luego era un baño público, un lugar donde se metían los aberrados sexuales, los exhibicionistas, un espacio donde las personas botaban sus basuras y los escombros de las reparaciones en sus casas, donde había una fosa al aire libre, los baños descargaban ahí, y nosotros llegamos a jugárnosla con eso, era inframundánico el espacio”.

A partir del trabajo de recuperación del edificio, la gente se dio cuenta que era un trabajo con un propósito interesante y la comunidad acompañó el proceso, desde los niños hasta los adultos.

La comunidad agradeció que en el Encuentro Latinoamericano se inaugurara el espacio, como escenario de transformación de la realidad desde el sentido invasor del arte para hacer un mejor país desde las libertades para participar activamente.

Fonte: http://www.radiomundoreal.fm/Big-bang-callejero?lang=es

Enquanto preparamos um novo blog para recepcionarmos as percepções de Cíntia Barenho, em sua participação no V Encuentro Latinoamericano de Experiencias de Educación Popular Ambiental, publicamos os materiais produzidos pela Radio Mundo Real.  Também fizemos uma entrevista com Jesús Figueredo, porém em vídeo. Assim que a edição estiver finalizada estaremos publicando no blog.

V Encuentro Latinoamericano de Experiencias de Educación Popular Ambiental,

Jesús Figueredo, durante o V Encuentro Latinoamericano de Experiencias de Educación Popular Ambiental. Foto: Cíntia Barenho/CEA

Entrevista com Jesús Figueredo do Centro Memorial Dr. Martin Luther King Jr.

De 12 a 14 de dezembro foi realizado o V Encontro Latino-americano de Experiências de Educação Popular Ambiental na cidade cubana de Pinar del Río. O encontro convocou educadores populares ambientais da Argentina, Brasil, Guatemala, México, Colômbia, Venezuela, Peru e Cuba, com uma participação de 80 homens e mulheres.
Após 10 anos de articulação de experiências, o desafio apresentado pelo Centro de Educação e Promoção para o Desenvolvimento Sustentável -CEPRODESO-, que foram os anfitriões e criadores históricos deste cenário, consistiu em fazer dialogar as experiências de educação popular ambiental sobre os sentidos e a incidência política destas práticas.

O Encontro também foi realizada como parte dos esforços para continuar socializando os porquês e “para quês” das lutas ambientais, e fazê-lo não só a partir da experiência, mas também desde o sujeito social que compõe as redes de construção coletiva.

Rádio Mundo Real, através de seu correspondente Danilo Urrea, esteve presente em Pinar del Río e conversou com Jesús Figueredo, integrante do Centro Memorial Dr. Martin Luther King Jr., e que colabora no programa de educação popular e acompanhamento de experiências locais. Jesús também faz parte da Rede de Educadoras e Educadores Populares de Cuba e da Rede de Educação Popular Ambiental.

Um giro conceitual

Partindo da educação ambiental clássica que se desenvolvia nos anos oitenta, as organizações cubanas começaram a se transformar e fizeram um giro fundamental cerca da Cúpula da Terra de 1992 no Rio de Janeiro, mudando a perspectiva desde uma crítica profunda à educação ambiental e suas limitações de leitura das relações entre seres humanos e natureza.

O “Período especial” em Cuba, iniciado na década de ’90 e que, conforme Figueredo poderia se dizer que ainda se mantém, revela uma crise econômica com consequências nas relações entre os seres humanos e deles com a natureza. Isso se traduz em uma ruptura e transformação desde a ética e a moral do povo cubano, gerando-se o surgimento de um novo enfoque de educação em relação ao ambiental do popular.

O V Encontro foi realizado através de uma feira de experiências que reuniu comunidades de prática como sujeito coletivo de análise e debate. Una destas comunidades foi a de formação e articulação.

“Existem pelo menos três elementos essenciais que temos discutido a partir de nossas práticas, falamos de uma comunidade de prática, mas não é uma comunidade que não leva em conta a individualidade, as experiências, a praxis de cada pessoa. Daí, marcamos três elementos básicos: o sentido político e a incidência política da educação popular ambiental; o elemento da epistemologia, como construímos uma outra epistemologia, precisamente dos sentidos políticos, da visão holística integradora de um trabalho ambiental e sobretudo formativo; e a dimensão ética desse sentido político e dessa construção de conhecimento, dessa episteme”, expressou Figueredo.

Natureza como sujeito social

A desconstrução das relações de poder de dominação constitui-se como elemento transversal de análise, partindo da passagem de uma educação popular muito focada nas relações sociais, a uma que vê a natureza como um sujeito mais do sistema de relação.

E ao falar do sentido político da educação popular houve referência à intenção de transformar os padrões de relação de dominação que se reproduzem nas relações entre os seres humanos e com a natureza.

“Para chegar a esse sentido político e ser coerente com ele, tomamos nossos espaços de formação como processos vivenciais, o que significa levar em conta dois elementos das estratégias de ensino/aprendizagem que colocamos em prática. Um é a dinâmica dos grupos de pessoas que vão trabalhar e desenvolver esses espaços; e o outro o temático, os conteúdos, os conhecimentos que são colocados em socialização dentro dessa dinâmica”.

A construção de um saber coletivo, em termos de uma nova epistemologia para a colocação em andamento da educação popular, produziu no Encontro a reflexão sobre as formas de produzir o conhecimento. Nesta perspectiva, o diálogo de saberes e o âmbito relacional foram valorizados pelos assistentes como elemento determinante da outra epistemologia. Sobre isto Figueredo indicou que “os enfoques os fazemos a partir de um sistema sócio-natural, não falamos de sociedade – natureza, falamos de sujeitos que co-habitam um sistema sócio-natural […] A visão é cosmo-cêntrica e não tanto antropocêntrica, não tanto centrada no ser humano mas sim na relação desse sistema, creio que essa é outra epistemologia que estamos construindo”.

A ética no centro

Nos debates que gerou o Encontro, o elemento da dimensão ética na educação popular ambiental foi apresentada como não necessariamente coincidente com as normas estipuladas, com o moral e socialmente aprovado.

O elemento ético foi projetado como a consideração dos outros seres humanos como sujeitos e não como objetos dentro dos sistemas de relação. “São processos nos quais não vamos somente com a função de ensinar, devemos ir com a atitude também de aprender, não pode ir só com a atitude de questionar, mas sim de deixar questionar dos significados das pessoas. É aí onde começa a construção de outro tipo de epistemologia, de outro tipo de conhecimento, somando-se a visão sistêmica, holística, e ao mesmo tempo é muito ético levar em conta que o outro não é o objeto que eu utilizo, que eu domino, que eu manipulo; e a educação popular tem feito isto como um eixo fundamental de luta”, destacou o educador ao entregar suas análises do que foi a comunidade de prática de formação e articulação, e seus debates como sujeito coletivo.

Fonte: http://www.radiomundoreal.fm/Formacao-e-articulacao-socio?lang=pt

Enquanto preparamos um novo blog para recepcionarmos as percepções de Cíntia Barenho, em sua participação no V Encuentro Latinoamericano de Experiencias de Educación Popular Ambiental, publicamos os materiais produzidos pela Radio Mundo Real

Numa isla verde e revolucionária

Revolução é construir. Foto: Cíntia Barenho/CEA

Articulación de esperanza

“En el Perú actualmente, a nivel país, estamos viviendo una avalancha de las industrias extractivas y esta avalancha está haciendo que nuestras comunidades campesinas, donde se encuentran los minerales, estén de alguna manera arrinconadas” señaló a Radio Mundo Real Gloria Velazco en el V Encuentro Latinoamericano de Experiencias de Educación Popular Ambiental.

La dirigente, quien hace parte del Centro para el Desarrollo de los Pueblos -CEDEP Ayllu-, organización que acompaña en el Cuzco a las comunidades campesinas e indígenas en temas de derechos, dialogó con nuestro corresponsal en el encuentro latinoamericano, Danilo Urrea, expresando su preocupación por el crecimiento de las concesiones mineras que están arrebatando los territorios.

A pesar de la esperanza que las organizaciones depositaron en la llegada del presente gobierno, del presidente Ollanta Umala, Velazco señaló el grave momento actual de criminalización de la protesta, y la protección del Estado a las industrias que generan conflictos en el país por la explotación de los patrimonios naturales.

Sin embargo, para Velazco hay intenciones mucho más interesantes a nivel región y país de organizaciones y movimientos sociales que están articulados con movimientos más internacionales, que a pesar del viraje del gobierno, pretenden trabajar fuertemente el proceso educativo desde las bases. El proceso de construcción de la base social se trabaja desde cada localidad, y en casos como el de Conga hay una respuesta de la población organizada, con procesos de trabajo de muchos años y donde la defensa del agua “es una luz, una esperanza de defensa de la vida”.

Para la dirigente, las experiencias de los países presentes en el Encuentro, y explícitamente la articulación del trabajo en Cuba “ayuda a ver también cómo nosotros podemos entrar a trabajar en movimientos mucho más de país y no sólo en contextos más pequeños. Desde la institución nuestra trabajamos hace mas de 12 años de manera ininterrumpida todo el tema de proceso formación de líderes, porque todo cambio del ser humano es un proceso, intentamos construir una comunidad diferente a la que hemos encontrado pero con la participación de ellos, con la propuesta de ellos”.

Los países denominados andinos, como el Perú, están siendo en este momento invadidos por las corporaciones trasnacionales, generando relaciones de explotación y dominación que actualmente llevan a una profunda crisis en los territorios ancestrales y tradicionales de campesinos, afro-descendientes y comunidades indígenas.

El Encuentro permitió pensar la posibilidad de articular redes regionales que permitan avances concretos en la construcción de procesos de educación popular ambiental que enfrente estas contradicciones. Según la activista peruana “nuestros países latinoamericanos, si hablo de la cultura inca, han estado siempre unidos, y eso es lo que hemos dejado. Creo que debemos retomar algunas cosas que anteriormente se hacían, las fronteras son quizás de los seres humanos, de nosotros mismos, y cómo rompemos esas brechas para hacer que esa avalancha no nos siga dañando cada vez más. Una de las cosas que debemos revisar también es nuestra historia, y esa historia está ahí, entonces cómo también hacemos que nuevamente podamos unirnos como hermanos latinoamericanos, finalmente somos uno, porque aisladamente no se puede hacer mucho”.

Fonte : Radio Mundo Real

Para começar nosso “Especial CEA em Cuba”, iniciamos com um pouco da música cubana, a música engajada na luta ecológica, na Educação Popular dos Cubanos e Cubanas em la Red. O grupo trabalha desenvolvendo a educação popular ambiental através da música nas comunidades.

Apresentamos aqui o  videoclip institucional para Cubanos en la Red y el Movimiento Agroecológico Latinoamericano:

Amanhã, 10 de dezembro, Cíntia Barenho, vai à ilha socialista, compartilhar com companheir@s latinoamericanos e caribenhos, nossas vivências e experiências em Educação Ambiental desenvolvidas ao longo dos nossos quase 30 anos de luta ecológica.

O convite surgiu durante a Cúpula dos Povos/Rio+20, quando conheceu cubanos e cubanas, ligados ao Centro Martin Luther King Jr e ao Centro de Educación y Promoción para el Desarrollo Sostenible (CEPRODESO), projeto do Museo de Historia Natural de Pinar del Rio em Cuba.

O Encuentro latinoamericano y Caribeño de Experiencias en Desarrollo de Educación Popular Ambiental acontecerá de 11 a 15 de dezembro, no CEPRODESO que se encuentra en el Museo de Historia Natural “Tranquilino Sandalio de Noda”, ubicado en un lugar céntrico de la ciudad de Pinar del Río, a 2 horas desde La Habana.

Para Cíntia Barenho, que participará do encontro, será uma importante oportunidade para compartilhar a experiência do CEA em Educação Ambiental, Ativismo Ecológico e Direito Ambiental. Na mala levará um pouco da história do CEA, através de publicações, fotos, vídeos, materiais diversos, e de sua experiência no coletivo. Pretende trazer uma mala de muitas trocas e vivências para partilhar com os demais integrantes do CEA e também com os leitores do blog.

 Cíntia imagina que Cuba tem muito a contribuir com a EA desenvolvida nos demais países, uma vez que vive em outro sistema econômico e a duras penas, precisou se adaptar com o fim da União Soviética. Mesmo não vivendo no paradigma do capitalismo, durante a Guerra Fria, os subsídios da Rússia não promoveram uma proteção e conservação ambiental . Assim, com o fim do socialismo, no leste europeu, e com o embargo americano viram-se obrigados a adaptarem-se para sobreviver. Logo a agricultura precisou torna-se ecológica, multiplicaram-se as hortas urbanas, a racionalização do petróleo foi imediata, o uso da bicicleta foi intensificado e, claro, o consumo de bens foi suspenso. (Veja mais em: Documentário sobre como Cuba sobreviveu ao pico do petróleo)

A integrante do CEA afirma que ao mesmo tempo, nós podemos problematizar o fazer Educação Ambiental no paradigma do capitalismo. Para nós do CEA, essa EA tem adjetivação: é crítica, transformadora e emancipatória. Portanto é um desafio constante pois essa EA pressupõe uma mudança de paradigma. Necessita uma nova organização social justa, igualitária (sem racismo, sexismo, homofobia), não consumista e, de fato, não antropocêntrica.

Esperamos que ao retornar, possamos fortalecer nossos processos já desenvolvidos, quiçá planejar novas ações em EA no escopo dos 30 anos do coletivo pela sustentabilidade não antropocêntrica.

Abaixo segue a convocatória do Encontro Leia o resto deste post »

ATUALIZADO

por Cíntia Barenho

The Power of Community: How Cuba Survived Peak Oil PosterThe Power of Community: How Cuba Survived Peak Oil é um documentário que aborda como Cuba “sobreviveu”, ou melhor, precisou se adaptar radicalmente quando a União Soviética (União das Repúblicas Socialistas Soviéticas-URSS) dissolveu-se. Assim, todos os subsídios, especialmente petrolíferos foram cortados, fazendo com que toda a agricultura cubana, até então petróleo e química-dependente (como a grande parte da nossa agricultura-agronegócio), tivesse que se modificar radicalmente sob a pena de não dar conta de alimentar sua população. Abordando a agricultura ecológica, a agricultura urbana, tal documentário se desenrola, fazendo uma grande crítica ao consumo e  dependência do petróleo.

Tal questão é pouco conhecida e debatida pelas bandas de cá. Inclusive, dias atrás, lendo o relato de uma estudante brasileira que participou das brigadas em Cuba, me pareceu que para a sociedade cubana a questão da agricultura não mais petro-dependente está tão introjetada, que não parece nenhuma novidade discutir tais questões com os estrangeiros que lá visitam.

A agricultura em grande escala, mecanizada e monocultural é totalmente petro-dependente e consumidora de insumos químicos, sejam estes fertilizantes/adubos (também derivados do petróleo) e agrotóxicos.

Claro que o bloqueio econômico, imposto à Cuba pelos Estados Unidos trás uma série de implicações  e sanções para a população e o desenvolvimento local. No entanto, ouso dizer que por conta do pouco acesso ao petróleo, em parte sanado pelo solidariedade bolivariana da Venezuela, a agricultura cubana tem avanços importantíssimo visando uma sociedade para além do petróleo, para além da dependência desse ouro negro que degrada a natureza e explora as sociedades.

Alguns males, podem até vir para bem…veja o documentário e faça suas próprias conclusões.

Cortadores de caña, Mario Carreño, 1946.

por Antonio Elio Brailovsky*

Las obras públicas de los dictadores de esta etapa pueden llegar a tener un absoluto desprecio por sus consecuencias ambientales. El dictador imaginario de García Márquez entrega a los norteamericanos el mar territorial, lo que en la novela significa que se llevan el agua con grandes exclusas y dejan la capital –antes costera- junto a un gran desierto de arena.

En 1954, el dictador cubano Fulgencio Batista proyectó construir un canal de casi 100 kilómetros de largo que atravesara la isla entre las bahías de Cárdenas y de Cochinos, en el occidente del país y permitiera a los buques de ultramar acortar distancias hacia o desde el Canal de Panamá. El Canal Vía Cuba estaba proyectado con un ancho de 40 metros y un calado de 50 pies (16 metros), lo que significa que el agua salada estaría en contacto lateral con los acuíferos que abastecen de agua a numerosas ciudades. “Con respecto a este último proyecto, (Batista) afirmó que sería construido por empresas privadas, con un costo de 500 millones de dólares, dando trabajo a 25.000 obreros, en un período de cinco años.

A pesar de que el gobierno afirmaba que el canal traería extraordinario progreso a una zona actualmente inhóspita y que el pasaje de barcos por el canal significaría un ingreso notable, las voces que surgieron criticando el proyecto indicaron la gravedad del mismo. Se enajenarían por 99 años extensas regiones del territorio nacional arruinando miles de hectáreas por la infiltración de salitre en los mantos de agua.

¿Por qué el canal de Batista era ambientalmente distinto del de Panamá? La diferencia sustancial es que el Canal de Panamá es un complejo sistema de exclusas para elevar y descender los barcos, que funciona exclusivamente con agua dulce, tomada de los ríos de las zonas que atraviesa en su camino entre ambos océanos. Tal vez no haya habido una intención ambiental en esta decisión. Es probable que sus constructores hayan encontrado más barato hacer bajar agua dulce por gravedad que subir agua salada desde el mar por bombeo. El resultado, sin embargo, es un impacto ambiental de menor envergadura.

Pero el canal en el que pensaba Batista era un gigantesco tajo que dividiría por dos el país y que se llenaría con el agua del Atlántico y del Caribe. Su impacto ambiental habría sido equivalente al de un gran proceso geológico. El descenso del agua marina hubiera salinizado irreversiblemente las napas subterráneas, que, como en toda zona húmeda, se encuentran a poca distancia de la superficie. Esto no sólo anularía las reservas de agua dulce de una muy extensa zona del país, sino que también provocaría daños irreversibles en los suelos, que perderían su aptitud productiva. Se generaron intensas protestas, encabezadas por los profesores de la Universidad de La Habana. El rechazo al canal de Batista fue uno de los primeros movimientos sociales exitosos de América Latina que expresó reivindicaciones claramente ambientales. (Ver: Latendorf, Abel Alexis: “Nuestra América difícil”, Buenos Aires, Editorial S.A.G.A. 1957. Aún en la actualidad algunos disidentes cubanos elogian este proyecto irracional).

*  de “Historia Ecológica de Iberoamérica”, enviado por mail por Antonio Elio Brailovsky

Camilo Guevara lamenta excessiva comercialização da imagem do pai, Che Guevara

Capitalismo está a destruir o mundo, diz filho de Che

Camilo Guevara um dos filhos do mítico guerrilheiro Che, El Comandante,  falou ao JN sobre o pai, a situação política internacional e o impacto da nova Administração norte-americana, de Barack Obama, sobre Cuba. O país onde ainda hoje vive, do qual foi ministro das Pescas e que muito defende.

O mítico guerrilheiro comunista Che Guevara é objecto de novo documentário. Com imagens inéditas, desde filmes de família da sua infância a arquivos fotográficos e fílmicos nunca antes divulgados por parte das autoridades da Bolívia, país onde o guerrilheiro foi abatido, o documento foi apresentado nos Emirados Árabes Unidos.

Nessa mostra esteve Camilo Guevara, terceiro dos cinco filhos de Che, que tinha apenas cinco anos quando o pai morreu. Restam-lhe imagens difusas, filtradas pelas memórias da mãe e das irmãs. Ao JN, falou sobre o pai e a situação política internacional, nomeadamente em Cuba, país onde ainda hoje vive e já exerceu vários cargos públicos, como o de ministro das Pescas.

Como é viver com o peso de ser o filho do Che?
Para mim não é um peso. Tenho muito orgulho em ser filho dele. Mas é verdade que há pessoas que podem confundir certas coisas e acham que por ser filho tenho de ser exactamente essa pessoa. O mais importante é esse orgulho dele ter sido o meu pai, e o grande carinho e admiração que sinto por ele.

Quando viaja pelo mundo e vê sobretudo jovens com t-shirts com a imagem de Che Guevara, o que lhe passa pela cabeça?
Tenho a esperança de que pelo menos o conheçam. Sei que por vezes não é assim. Às vezes é por snobismo ou por ser moda. Creio que de todas as formas, o facto de levarmos algo com a imagem do Che nos identifica logo com a figura. E mais tarde ou mais cedo talvez se acabe por conhecer melhor essa pessoa. Isso pode ser positivo.

E quais são os aspectos negativos?
O que me desagrada é a comercialização vã da figura de Che Guevara, tentando, na minha opinião, separar a História da própria imagem. Convertendo-o num mito frio, sem valor. Mas é difícil consegui-lo. Um dia, essas pessoas vão acabar por ir à procura de um livro ou algo que os leve a saber quem foi realmente Che Guevara.

O Che foi rebelde, revolucionário, há quarenta ou cinquenta anos. O que é ser revolucionário hoje?
O Che é, ainda hoje, rebelde e revolucionário. Na actualidade, é necessário mais do que nunca criar uma alternativa ao Mundo. A ganância é o estímulo fundamental do sistema capitalista. Já está até a destruir a nossa espécie. Há que combater o capitalismo mais do que nunca. Com o consumo desmedido por parte de 20% da população mundial, estamos a chegar a um ponto sem retorno, que pode dar origem a um caos biológico.

Como é que essa mudança poderá ser feita?
Há muitos caminhos, muitas formas. Mas a essência é a mesma. Tem de se criar um sistema alternativo. Dê-se-lhe o nome que se quiser. Se quiserem chamar comunismo, chamem. Se quiserem chamar socialismo, chamem. Se quiserem chamar harmonia, que seja harmonia. Mas tem de ser um sistema diferente do que existe na actualidade. E há que fazê-lo, é tão simples como isso. Não há outra alternativa.

Mas acha que é possível fazer essa mudança, no mundo de hoje?
É possível em qualquer parte do mundo. Veja este país, é completamente fictício. Estas construções que vemos aqui, que custo têm? Nem estou a falar no dinheiro. Que custo ambiental, ecológico, têm? Não quero dizer que devessem voltar para o deserto e andar de camelo. Mas o desenvolvimento devia ter sido racional. Mas não, está a criar um desequilíbrio total, é o que está a acontecer em todo o Mundo.

É necessária uma mudança de mentalidades, não está de acordo?
É verdade, porque o maior problema é que os outros 80% querem ser como os 20% que têm toda a riqueza. Mas é impossível. Para haver esses 20%, é preciso que os outros 80% sejam explorados e tenham péssimas condições de vida. É muito difícil manter um sistema assim indefinidamente. Espero que tenhamos a maturidade suficiente para percebermos que não podemos continuar nesse caminho.

Nesse contexto, que apreciação faz da realidade cubana?
O socialismo, como o vemos nós, os cubanos, é uma experiência particular de cada povo. Tem a ver com a cultura, com a idiossincrasia, com a experiência de cada povo. Para se criar essa alternativa. Foi o que tentámos fazer. A 90 milhas dos Estados Unidos. Eles já nos podiam ter invadido. Se não o fizeram é por alguma razão.

Mas pensa que essa tentativa de criar um sistema alternativo foi conseguida?
Houve muitas coisas positivas que se alcançaram, em termos de desenvolvimento. É indiscutível, inquestionável. E servem de experiência para novos passos, novas acções. O caminho é longo. Mas é o caminho que o Che pretendia. O futuro não é um dogma. Há que encontrar o caminho e ir caminhando através dessas experiências.

O novo filme sobre o Che não torna claro se houve ou não algum confronto ideológico entre ele e Fidel Castro…
O que o Che queria era proceder a um exercício crítico da nossa experiência. O que se cumpria e o que não se cumpria. Esse exercício é fundamental, para continuar o caminho na direcção que se pretendia.

Os EUA afirmaram que talvez daqui a dois ou três anos acabem com o bloqueio. Acredita que isso vai ser possível?
O bloqueio é da Administração norte-americana, não é do povo norte-americano. A Administração dos EUA representa os interesses de um império. Cuba é a antítese desse império. É um exemplo de resistência e de luta. O bloqueio foi criado para evitar o desenvolvimento de Cuba. Mas tudo é possível, quem sabe?
Se o bloqueio for levantado, o que poderá mudar em Cuba?
As relações comerciais, pelo menos com os Estados Unidos. Poderão chegar medicamentos dos EUA. Poderá haver alimentos, exportados de forma normal para Cuba. Seria um passo sério e sólido para a paz universal. Um Mundo sem guerras, sem agressões, sem bloqueios, seria um Mundo melhor.

Mudou alguma coisa com a Administração de Barack Obama, o actual presidente dos EUA?
Com Barack Obama na Presidência, voltou-se ao momento anterior a George W. Bush. Mas continuamos bloqueados, continuamos com a base americana de Guantánamo (base naval dos EUA em Cuba, tornada célebre por encarcerar os suspeitos de terrorismo sem serem objecto de acusação formal). E isso obriga-nos a defender-nos. É tão simples como isso. A nossa revolução tem cinquenta anos. Temos de resistir e de sobreviver. E é o que temos feito. Mesmo sem a União Soviética e o campo socialista. Continuamos a existir, porque o povo apoia a nossa revolução, senão seria impossível.
Recentemente, foram libertados mais alguns prisioneiros de opinião em Cuba…
Os Estados Unidos sempre tentaram criar, no interior de Cuba, uma quinta coluna. Faz parte da sua estratégia. Financia, organiza e estimula uma suposta oposição dentro de Cuba. Quem representa e é financiado e organizado pelos Estados Unidos está a cometer um delito grave contra os interesses da nossa nação. Essas pessoas foram presentes a tribunal e incriminadas por esse tipo de acções. Não pela sua forma de pensar. Em Cuba, há liberdade de pensamento. Pode-se pensar o que se quiser. Outra coisa é actuar.

Jornal de Notícias
Fonte:  Ibiekos

Reflexões de Fidel
O inverno nuclear e a paz

MAIS de vinte mil armas nucleares estão nas mãos de oito países: Estados Unidos, Rússia, França, Reino Unido, China, Israel, Índia e Paquistão; vários deles com profundas diferenças econômicas, políticas e religiosas.

O novo tratado START, assinado em Praga no mês de abril entre as maiores potências nucleares, não implica mais do que ilusões a respeito do problema que ameaça a humanidade.

A teoria do “inverno nuclear”, desenvolvida e colocada no nível atual pelo eminente pesquisador e professor da Universidade de Rutgers, Nova Jersey, Dr. Alan Robock ─ cientista modesto que gosta mais de reconhecer os méritos de seus colegas do que os seus próprios ─, demonstrou sua veracidade.

Para eles, a única forma de evitar o uso das armas nucleares é eliminando-as. O povo norte-americano, situado num lugar privilegiado do planeta, que lhe permite desfrutar dos mais altos níveis de vida e riquezas no mundo, apesar dos incríveis esbanjamentos de recursos não renováveis, deveria ser o maior interessado na informação que lhe oferecem os cientistas. Quanto espaço dedicam a essa tarefa os meios de comunicação social?

A teoria do “inverno nuclear” ensinou-nos ―disse Robock― que: “Se tais armas não existissem, não poderiam ser utilizadas.  E neste momento não existe um argumento racional para usá-las absolutamente. Se não podem ser usadas, é necessária sua destruição e dessa forma nos protegeríamos dos acidentes, dos erros de cálculo ou de qualquer atitude demencial”.

“…os computadores que funcionavam com modelos ultramodernos se tornaram o único laboratório de escolha, e os acontecimentos históricos – inclusive as cidades arrasadas pelo fogo depois dos terremotos e dos bombardeamentos em tempos de guerra, as colunas de fumaça dos incêndios florestais e as nuvens criadas pelas erupções vulcânicas- tornaram-se pedras de toque das avaliações científicas.”

A proliferação das armas nucleares ─ na qual o Israel, a Índia e o Paquistão se integraram ao clube nuclear, e outros países, ao que parece, aspiram a ser membros do mesmo─, obrigou Robock e seus colegas a reverem as primeiras investigações. Os resultados desses estudos modernos, como foi pormenorizado em uma série de artigos recém-publicados, foram surpreendentes.

Quanto aos Estados Unidos e à Rússia, apesar de que cada um deles se comprometeu, no mês de abril de 2010 em Praga, a reduzir seu arsenal nuclear operativo até aproximadamente 2000 armas, a única forma real de evitar uma catástrofe climática global seria eliminando as armas nucleares.

“…qualquer país que neste momento esteja considerando a via nuclear precisa reconhecer que estaria colocando em perigo não só suas próprias populações, mas também o resto do mundo, ao adoptar essa via.  É hora de que o mundo pense mais uma vez nos perigos das armas nucleares, e que desta vez adote o caminho rumo à paz e elimine a possibilidade de uma catástrofe climática global induzida pela energia nuclear, pela primeira vez desde meados do século passado.”

“…o uso das armas nucleares no caso de um ataque total contra um inimigo, seria uma ação suicida devido ao frio e à escuridão anômalos provocados pela fumaça proveniente dos fogos gerados pela bomba.  De fato, evidenciou-se que, enquanto mais armas nucleares tiver um país, terá menor segurançã.”

Albert Einstein disse: “O poder desencadeado do átomo tem mudado tudo salvo nossas formas de pensar, e é por isso que avançamos sem rumo para uma catástrofe sem precedentes”.  Carl Sagan tinha dito que nossa política de armas nucleares era “um caminho onde nenhum homem pensava.”

No final da conferência magistral, perguntei ao professor Alan Robock: “Quantas pessoas no mundo têm conhecimento desses dados?” Respondeu-me que “muito poucas”. Acrescentei: E no seu país, quantas?” “Igual ―respondeu-me― não se conhecem.”

Não duvidava que essa fosse a triste realidade e acrescentei: “Não fazemos nada apenas nós sabendo. É preciso que o mundo saiba disso. Talvez seja necessário buscar psicólogos para que expliquem por que as massas não entendem”.

“Eu tenho uma resposta ― exclamou o cientista―: Isto se chama negação. É uma coisa horrível que as pessoas não queiram pensar nisso. É mais simples fingir que isto não existe.”

Suas palavras — durante quase uma hora que empregou na conferência, auxiliado por gráficos, dados e fotos projetados numa tela —, foram claras, precisas e eloquentes. Por isso expressei: “O que é fazer consciência, da qual tanto falamos? O que é criar cultura? E quanto desanima a vocês, os cientistas, que a gente nem saiba do que vocês estão a fazer, quantas horas investem?”

Eu lhe disse que, quando não existiam nem rádio, nem televisão, nem internet, era impossível difundir uma conferência como essa em Cuba ou no mundo. Ainda menos, quando muitas pessoas não sabiam nem ler nem escrever.

Prometemos ao professor divulgar a informação que nos ofereceu sobre a teoria do “inverno nuclear”, com uma linguagem que até as crianças cubanas de oito anos podem compreender, da qual só conhecíamos um pouco, a partir de nossa preocupação quanto ao estouro de uma guerra global nuclear, o que nos levou a escutar sua palestra.

Nenhuma outra época da história humana é tão parecida com esta. Com certeza, se esses riscos não são compreendidos por aqueles que adoptam as decisões das alturas do imenso poder que a ciência e a tecnologia colocaram nas suas mãos, a próxima contenda mundial será a última, e talvez decorressem dezenas de milhões de anos antes que novos seres inteligentes tentem escrever sua história.

Quis o azar que, ontem segunda-feira dia 20, recebesse a notícia de que com, atraso de várias horas, por causa dos furacões, no amanhecer do dia 21n chegaria ao porto de Havana, procedente das Ilhas Canárias, o cruzeiro “Peace Boat”, a Organização Não-Governamental Internacional com Estatuto Consultivo Especial perante a ONU que, desde 1983, organiza viagens globais para a promoção da paz, os direitos humanos, o desenvolvimento justo e sustentável e o respeito pelo meio ambiente. A Organização, em 2009, foi indicada para o Prêmio Nobel da Paz pela sua campanha global para prevenir a guerra.

Na carta que me endereçou o fundador e diretor do “Peace Boat”, Yoshioka Tatsuya, através do chefe do coletivo de visitantes Nao Inoue, expressa: “Nossa organização trabalhou durante anos, recentemente em paceria com países da ALBA. […] que expressam claramente o compromisso com a abolição nuclear, a proibição de bases militares estrangeiras e a resolução pacífica de controvérsias internacionais […]  O Japão, como você sabe, único país que sofreu um bombardeamento atômico, ainda hoje mantém uma Constituição pacifista que, através do seu artigo 9, renuncia formalmente à guerra e proíbe o uso da força nas disputas internacionais.

“…tema de especial interesse em nosso ativismo é a remoção de bases militares estrangeiras, uma situação presente no Japão e em diversas partes do mundo, considerando que bases estrangeiras como as existentes em Guantánamo e Okinawa causam prejuízos ambientais irreversíveis e fomentam a guerra, em vez da paz mundial.”

“Peace Boat” organizou, incluindo esta, 70 viagens ao redor do mundo desde 1983, com a participação de não menos de 40 mil pessoas que visitaram mais de 100 países. Seu slogan é: “Aprende com as Guerras Passadas para Construir um Futuro de Paz”.

Em 20 anos, seu navio visitou 14 vezes nosso país, ultrapassando obstáculos e empecilhos impostos pelos Estados Unidos, promove campanhas de doações significativas para os sectores da educação e da saúde fundamentalmente.

Estão presentes nos numerosos fóruns internacionais e encontros de solidariedade a Cuba. São amigos verdadeiramente provados de nossa Pátria. Em maio de 2009, a organização foi condecorada com a Ordem da Solidariedade que outorga o Conselho de Estado da República de Cuba, por proposta do ICAP.

Foi para mim uma grande honra receber o convite para me reunir com uma representação dos visitantes, e lhes propus fazê-lo, com o máximo possível, no Palácio das Convenções. Falaram o senhor Nao Inoue, e a sobrevivente, Sra. Junko Watanabe, que tinha apenas dois anos de idade quando a primeira bomba atômica foi lançada sobre a cidade de Hiroshima. A menina se encontrava com um irmão mais novo no quintal de uma casa a 18 quilómetros do ponto em que foi lançada a bomba, que fez desaparecer a maior parte da cidade, matou instantaneamente mais de 100 mil pessoas e ocasionou sérios danos no resto dos habitantes.

Ela narrou suas dramáticas lembranças quando, anos mais tarde, foi conhecendo as imagens e pormenores daquele acontecimento que tantos sofrimentos ocasionou em tantas pessoas inocentes que nada tinham a ver com aquele ataque brutal.  Foi um acto deliberado para aterrorizar o mundo com o uso desnecessário de uma arma de extermínio maciço, quando o império japonês havia sido já derrotado. Foi lançada, não sobre uma instalação militar, mas sobre um alvo civil indefeso. As imagens divulgadas sobre aquele crime horrível não expressam o que a voz de Junko Watanabe nos contou sobre os fatos. A ocasião foi propícia para expor nossos pontos de vista, e contar aos nossos amistosos visitantes japoneses, lutadores pela abolição das armas nucleares, das bases militares e da guerra, a respeito do esforço que nossa Pátria leva a cabo para evitar um conflito nuclear que possa pôr termo à existência de nossa espécie.

Fidel Castro Ruz
21 de setembro de 2010
19h12

Fonte: Granma

http://libertario08.files.wordpress.com/2009/07/cuba-usa-embargo.jpg

Participe aderindo à declaração. Abaixo saiba como:

Amigas, Amigos:
Adjuntamos la declaración de la Red de Redes En Defensa de la Humanidad –denunciando la agresiva campaña mediática desatada contra nuestra Revolución, que se encuentra en la dirección
Es necesario recoger con urgencia la mayor cantidad de firmas.
Pueden introducir la firma directamente en la sección PARA ADHERIRSE
Un saludo solidario,
Instituto Cubano de Amistad con los Pueblos

Declaración En Defensa de Cuba

A propósito de la resolución del 11 de marzo del Parlamento Europeo sobre Cuba, los intelectuales, académicos, luchadores sociales, pensadores críticos y artistas de la Red En Defensa de la Humanidad manifestamos:

1.    Que compartimos la sensibilidad mostrada por los parlamentarios europeos acerca de los prisioneros políticos. Como ellos, nos  pronunciamos por la inmediata e incondicional liberación de todos los presos políticos, en todos los países del mundo, incluidos los de la Unión Europea.

2.    Que lamentamos profundamente, como ellos, el fallecimiento del preso común Orlando Zapata, pero no admitimos que su muerte, primera “…en casi cuarenta años” según el propio Parlamento, sea tergiversada con fines políticos muy distintos y contrarios a los de la defensa de los derechos humanos.
3.    Que instar “…a las instituciones europeas a que den apoyo incondicional y alienten sin reservas el inicio de un proceso pacífico de transición política hacia una democracia pluripartidista en Cuba” no sólo es un acto injerencista, que reprobamos en virtud de nuestro compromiso con los principios de no intervención y de autodeterminación de los pueblos -defendidos también por la ONU-, y en contra de la colonialidad, sino que supone un modelo único de democracia que, por cierto, cada vez se muestra más insuficiente y cuestionable. La búsqueda y profundización de la democracia supone, entre otras cosas, trascender sus niveles formales e inventar nuevas formas auténticamente representativas que no necesariamente están ceñidas al pluripartidismo que, como bien se sabe, encubre frecuentemente el hecho de que las decisiones sobre los grandes problemas mundiales son tomadas unilateralmente por pequeños grupos de interés con inmenso poder, por encima del régimen de partidos.

4.    Que pretender justificar una intromisión en los asuntos políticos internos del pueblo cubano manipulando mediáticamente el caso de Orlando Zapata -delincuente común y de ninguna manera preso político-, coincide con las políticas contrainsurgentes que han estado aplicándose en América Latina para detener o distorsionar los procesos de transformación emancipadora que están en curso y se suma al criminal bloqueo al que ha sido sometido el pueblo cubano, por el simple hecho de no aceptar imposiciones y defender su derecho a decidir su destino con dignidad e independencia.

5.    Que compartimos la preocupación mostrada por los parlamentarios sobre el respeto a los derechos humanos en Cuba pero la extendemos al mundo en su totalidad. Así como les preocupa el caso del delincuente fallecido (que en 40 años no tiene ningún antecedente similar), los invitamos a exigir el fin de la ocupación de Gaza y del hostigamiento al pueblo Palestino, que ha provocado no una sino miles de muertes; de la intervención en Irak y Afganistán sembrando muerte y terror en pueblos y ciudades; de los bombardeos en esos lugares con el argumento de defender la democracia; el fin de la doble ocupación de Haití; el cierre de la prisión de Guantánamo y la entrega de ese territorio a Cuba, a quien le pertenece; la devolución de las islas Malvinas a Argentina; y, por supuesto, el fin de un bloqueo que viola los derechos humanos del pueblo cubano y que puede poner en duda la calidad moral de quien exige trato humano para un delincuente cuando se lo niega a un pueblo entero.

El acoso económico y mediático al que está siendo sometida Cuba, aun antes del deceso del preso común Orlando Zapata, constituye un atentado contra los derechos humanos y políticos de un pueblo que decidió hacer un camino diferente.
Exigimos respeto a los procesos internos del pueblo cubano para definir y ejercer su democracia, y consecuencia con los principios universales de no intervención acordados por las Naciones Unidas.

Red En defensa de la Humanidad

folder-santiago

scan0001

scan0003

midialivre

arte2

BannerForum120x240

codigoflorestal22

Assine e receba as atualizações do Blog do CEA por email. Basta clicar no link acima, ao abrir uma janela, coloque seu email, digite o código que aparece e confirme. Será enviado um email solicitando sua confirmação. Obrigad@.

Frase

“De tanto postergar o essencial em nome da urgência, termina-se por esquecer a urgência do essencial.” Hadj Garm'Orin

Apresentação

O Centro de Estudos Ambientais (CEA) é a primeira ONG ecológica da região sul, constituída em Rio Grande/RS/Brasil, em julho de 1983.

Nos siga no Twitter

Acessos desde 04/11/08

  • 1,159,566 Visitas

Campanhas e Parcerias

Flickr PIT 531 - Logotipo Pedal Curticeira - Pedal Curticeira2 um-carro-a-menos_outra2 Flickr

Flickr

Flickr

Visitantes on-line

Países Visitantes

free counters

Pesquise por Temas

Direito à Informação Ambiental

As publicações elaboradas e publicadas pelo CEA, bem como suas fotos são de livre reprodução, desde que não haja fins econômicos, que sejamos informados através do mail ongcea@gmail.com e com expressa citação da fonte nos termos a seguir: Fonte: Blog do Centro de Estudos Ambientais (CEA).
%d blogueiros gostam disto: