You are currently browsing the tag archive for the ‘complexidade’ tag.

Antes de conferência no Fronteiras do Pensamento, Edgar Morin falou à imprensa na tarde desta segunda-feira (8), em Porto Alegre | Foto: Ramiro Furquim/Sul21

“Precisamos fazer a crítica das utopias de um mundo perfeito, mas também a crítica do fatalismo realista. É necessário abandonar a ideia do melhor dos mundos e partir para a busca de um mundo melhor”

Igor Natusch

Os anos não foram capazes de tirar a esperança de Edgar Morin. O sociólogo, filósofo e antropólogo francês, do alto de suas nove décadas de vida, veio a Porto Alegre nesta segunda-feira (8), dentro do ciclo de palestras Fronteiras do Pensamento, para falar da crise financeira que aponta para uma sociedade cada vez mais inviável – mas também para propor a melhora da sociedade não apenas como conceito, mas como um objetivo pelo qual vale a pena lutar.

O conferencista abordou, durante a palestra, boa parte dos temas tratados em seu livro “La vole – pour l’avenir de la humanité” (O caminho para o futuro da humanidade, em tradução livre). Em sua fala, Edgar Morin discutiu alternativas para combater a atual crise global – que vai além das incertezas financeiras e toma conta de todos os aspectos da sociedade, podendo gerar uma verdadeira catástrofe do ponto de vista humano. Na ocasião, foi exibida também uma entrevista do sociólogo polonês Zygmunt Bauman. Originalmente confirmado no Fronteiras, Bauman teve que cancelar a viagem por problemas familiares.

Esperava-se, na coletiva de imprensa anterior à conferência, que Edgar Morin respondesse as perguntas em francês, com o auxílio de uma intérprete. Mas, tão logo começou a falar, o pensador francês pegou de surpresa os jornalistas presentes. “Vou tentar responder assim, um pouco em português, um pouco em espanhol”, disse ele, de forma perfeitamente compreensível. Mais um sinal de que, aos 90 anos, a mente de Edgar Morin segue ativa e capaz de surpreender.

O atual processo que toma conta do mundo acaba gerando ambivalências, como explica Edgar Morin. “Temos aspectos positivos, como o intercâmbio de culturas e um processo de trocas cada vez mais intenso”, diz. “Mas há aspectos muito negativos, como o fim das solidariedades e o aumento da corrupção e da miséria. Hoje, vivenciamos uma série de catástrofes combinadas, que unem o destino de todos os seres humanos frente a um perigo comum”.

De acordo com o pensador francês, pode ser “muito difícil” mudar o caminho da nossa sociedade global, mas é imperativo perguntar como isso pode ser feito, ao invés de se deixar levar pelo conformismo. Para ele, a crise financeira mundial coloca a humanidade diante de um dilema que envolve seu próprio destino. “As opções são desintegração, regressão e metamorfose”, enumera o pensador francês. “Cabe a nós escolher qual delas desejamos seguir”.

Nesse sentido, Edgar Morin não acredita que os partidos políticos atuais estejam em condições de propor uma via capaz de ultrapassar esse momento de crise. A globalização econômica não foi acompanhada por uma globalização política, segundo ele. O que não significa que o atual modelo de política deva ser extinto. “É momento de reconstituir as bases de nosso sistema político”, afirma. Para ele, as estruturas devem ser mantidas, mas os conceitos por trás dos partidos precisam ser regenerados. Bandeiras como liberalismo, socialismo e comunismo podem estar esvaziadas, mas ainda dizem respeito a questões centrais do desenvolvimento humano. “Temos que resgatar esses conceitos e, a partir deles, construir um novo caminho”.

É preciso criticar as utopias, mas também o realismo

Questionado sobre o papel das utopias no mundo atual, Edgar Morin procura fazer uma distinção entre as “utopias más” e aquelas que são, de certo modo, realizáveis – e que, portanto, ainda têm espaço em nosso mundo. “É impossível resolver todos os problemas”, diz. “Ao tentarem impor a utopia da harmonia geral, os regimes socialistas criam a pior ditadura possível. Mas o realismo pode ser ainda pior do que a utopia, porque parte do princípio de que as coisas não podem mudar”.

O sociólogo francês acredita que, mais do que utopias, é necessário reconstruir a esperança de melhorar a sociedade. “Precisamos fazer a crítica das utopias de um mundo perfeito, mas também precisamos fazer a crítica do fatalismo realista. Penso que é necessário abandonar a ideia do melhor dos mundos e partir para a busca de um mundo melhor”.

Uma utopia que Edgar Morin considera alcançável, mesmo que os sete bilhões de habitantes da Terra pareçam, à primeira vista, um número difícil de encarar. “O organismo humano tem mais de 12 bilhões de células e funciona muito bem”, compara, rindo. Segundo ele, a quantidade de pessoas no mundo não é um empecilho para a construção de uma sociedade global. “Não se trata de buscar um Estado para governar o mundo todo, e sim de tornar possível uma sociedade mundial que respeite as particularidades regionais, mas com uma consciência de terra-pátria”, afirma Morin.

Construção que passa necessariamente pelo estabelecimento de modos mais igualitários de estrutura social. Edgar Morin exemplifica com o Conjunto Palmeira, favela de Fortaleza com 30 mil habitantes que criou uma moeda própria em 1998, e com a cidade alemã de Freiburg, que adotou um sistema de transporte sustentável, com incentivo a bicicletas e bondes elétricos, além do uso da luz solar como principal fonte de energia. “São esses modelos de igualdade que temos que buscar”, acentua, dizendo que estimular a troca e o espírito comunitário deve ser o norte de sociedades mais voltadas ao bem estar dos cidadãos.

“Não posso abrir mão da curiosidade”, diz Morin

Aos 90 anos, Edgar Morin segue publicando livros e fazendo palestras ao redor do mundo. Ainda que muitos possam se surpreender com o ritmo intenso, o pensador diz que não se deve entender a idade como uma mera questão quantitativa. “Não perdi a inspiração, o que perdi foi minha ilusão”, admite Edgar Morin. “Mas continuo motivado do mesmo modo. Não posso abrir mão da curiosidade, da vontade de corrigir o que está errado no mundo. Procuro manter o senso de humor, o bom humor e o amor pela vida”.

O ciclo de palestras Fronteiras do Pensamento terá continuidade no dia 22 de agosto, com a presença de Lygia da Veiga, geneticista de trabalho destacado no estudo das células-tronco. Pela primeira vez, as palestras estão sendo realizadas também em São Paulo. Ao todo, dez nomes farão parte do Fronteiras do Pensamento 2011 em Porto Alegre – entre eles, palestrantes como o escritor Orhan Pamuk, o ativista político Lech Walesa e o enxadrista Garry Kasparov.

Fonte: Sul21

Anúncios

Segundo o site da Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luiz Roessler (FEPAM) “a  Secretaria Estadual de Meio Ambiente (SEMA)  receberá 25 agentes administrativos, dois assessores administrativos e três administradores do concurso realizado pela Secretaria de Administração e Recursos Humanos, em 2010, a partir deste mês.”

“Além desses servidores, a FEPAM receberá em seus quadros 57 concursados entre eles administradores, advogados, geólogos, químicos, biólogos, engenheiros agrônomos, engenheiros florestais, engenheiros químicos e ambientais, e agentes administrativos.”

De acordo com a secretária de Meio Ambiente, Jussara Cony” (PC do B do RS), “essas nomeações fazem parte do esforço do Governo do Estado em readequar a estrutura de seus órgãos e de agilizar os licenciamentos ambientais. “O Governador Tarso Genro está cumprindo seu compromisso com o setor. Precisamos reorganizar a casa para atender melhor a sociedade gaúcha”, destacou a secretária.

Avançando. Devemos lembrar que é necessário organizar a casa, pois a mesma nunca esteve organizada de forma a implementar uma política ambiental menos desenvolvimentista e com justiça social, como requer o movimento ecológico gaúcho (MEG).

Também não podemos esquecer, pelo pragmatismo cotidiano ou por qualquer outra razão, que o objetivo de um órgão ambiental deve ser, não só o atendimento a sociedade gaúcha, onde os que buscam licenciamento e autorização são historicamente privilegiados, mas também aos que perseguem, de forma altruísta, a proteção da natureza. Ou seja, atender a sociedade gaúcha e a proteção da natureza, como diz o próprio nome da FEPAM, de proteção ambiental (cultura e natureza) e o na denominação do Sistema Estadual de Proteção Ambiental (SISEPRA).

Aliás, com relação ao nome da FEPAM, seria oportuno que o atual Presidente, o servidor federal Carlos Fernando Niedersberg (PC do B do RS), cuja eventual ligação anterior com a temática ambiental desconhecemos, diferentemente da atual secretaria da SEMA, fosse informado corretamente do mesmo, uma vez que ele dirige tal órgão ambiental.

Afirmamos isso pelo fato de que, ontem (17.05) à noite, num programa de debates de grande audiência da maior rede de comunicações do RS e uma das maiores do Brasil, o seu “âncora”, perguntou ao presidente da FEPAM se o nome daquele órgão ambiental era fundação estadual de proteção do ambiente natural e o seu presidente respondeu: de meio ambiente, por duas vezes.

Claro que saber o nome correto de um órgão ambiental não é decisivo para se fazer uma gestão qualificada a frente desse mesmo órgão. Mas tal fato, de segundos televisivos, pode ser revelador de algumas questões, notadamente o desconhecimento, talvez decorrente da desimportância que tal órgão representa para o maior veículo de comunicação do RS e para um dos mais qualificados ancoras da TV gaúcha e brasileira. Segundo, o igual desconhecimento do presidente da FEPAM das questões ambientais, pois se nem o nome do órgão de controle ambiental é apreendido adequadamente (ta certo, que são poucos meses tratando do tema) como fazer uma leitura satisfatória da complexidade e da interdisciplinariedade que envolve a política, a economia, as injustiças sociais e meios legais de proteção da natureza, os quais diariamente se apresentam e se conflitam nos processos e corredores da FEPAM e, principalmente, fora dela?

Talvez isso também revele parte da razão pela qual o deputado federal Aldo Rebelo (PC do B de SP) deseja flexibilizar o Código Florestal Brasileiro: o seu igual desconhecimento do que seja proteção ambiental. Parte, pois outra parte já sabemos: é o compromisso manifesto do citado deputado com o desmatamento em prol de interesses econômicos de grandes latifundiários.

Mas uma coisa é certa: não é só o desconhecimento o pai (ou a mãe) das agressões ambientais que campeam pelo pampa e pelos demais biomas brasileiros e só o tempo nos dará condições de respondermos essas questões com propriedade.

EDICIONES ESPECIALES SIN COSTO

Los libros que se presentan aquí son altamente valiosos para quienes aprecian el pensamiento de avanzada, la calidad humana manifiesta en la obra de Edgar Morin y la vigencia y sabiduría que reflejan sus ensayos acerca de las reformas necesarias para resolver los problemas fundamentales de la humanidad. Su disposición es temporal, posteriormente sólo estarán disponibles en librerías de prestigio.

Para baixar as publicações acesse aquí.

midialivre

arte2

BannerForum120x240

codigoflorestal22

Assine e receba as atualizações do Blog do CEA por email. Basta clicar no link acima, ao abrir uma janela, coloque seu email, digite o código que aparece e confirme. Será enviado um email solicitando sua confirmação. Obrigad@.

Frase

“De tanto postergar o essencial em nome da urgência, termina-se por esquecer a urgência do essencial.” Hadj Garm'Orin

Apresentação

O Centro de Estudos Ambientais (CEA) é a primeira ONG ecológica da região sul, constituída em Rio Grande/RS/Brasil, em julho de 1983.

Nos siga no Twitter

Acessos desde 04/11/08

  • 1.199.320 Visitas

Campanhas e Parcerias

Flickr PIT 531 - Logotipo Pedal Curticeira - Pedal Curticeira2 um-carro-a-menos_outra2 Flickr

Flickr

Flickr

Visitantes on-line

Países Visitantes

free counters

Pesquise por Temas

Direito à Informação Ambiental

As publicações elaboradas e publicadas pelo CEA, bem como suas fotos são de livre reprodução, desde que não haja fins econômicos, que sejamos informados através do mail ongcea@gmail.com e com expressa citação da fonte nos termos a seguir: Fonte: Blog do Centro de Estudos Ambientais (CEA).
Anúncios
%d blogueiros gostam disto: