You are currently browsing the tag archive for the ‘Bolívia’ tag.

Medida. El presidente Evo Morales promulgó ayer la Ley de la Madre Tierra; fue un acto emotivo en el Palacio Quemado

El presidente Evo Morales promulgó la Ley de la Madre Tierra y Desarrollo Integral para Vivir Bien. Crearán la Defensoría del Sistema y los sectores están sorprendidos

La ley de la Madre Tierra y Desarrollo Integral para Vivir Bien, promulgada por el presidente del Estado, Evo Morales, prevé la eliminación de la concentración de la propiedad de la tierra o latifundio y otros componentes en manos de propietarios agrarios y empresas, y prohíbe la introducción, producción, uso, liberación al medio y comercialización de semillas genéticamente modificadas en el territorio nacional.

En sus partes más sobresalientes la nueva norma también crea la Defensoría del Sistema, un Fondo de Justicia Climática, que establece que las tierras fiscales deben distribuirse con preferencia a mujeres y pueblos indígenas, y ordena la regulación y control de la extranjerización en la propiedad, acceso y aprovechamiento de los componentes de la Madre Tierra.

En el momento de la promulgación, Morales dijo que la normativa permite la explotación de los recursos naturales sin causar daño al medio ambiente. “Si no hay naturaleza no hay vida ni humanidad y nuestra propuesta con esta ley más bien es cómo vivir con armonía y en complementariedad (con la Madre Tierra)”, señaló.

El presidente también mencionó que la acumulación de riqueza es un factor que “destroza la naturaleza”, por ello pidió a la gente no pensar en acumular bienes para asegurar su vejez.

Señaló que para evitar ese temor el Gobierno debe garantizar una buena renta dignidad. “Ahora la tarea es implementar la ley, en el tema de minería principalmente”, precisó.

Por su lado, el vicepresidente Álvaro García Linera indicó: “Si hay que producir, hay que producir, si hay que sacar algún mineral hay que hacerlo, pero encontrando el equilibrio entre satisfacción de necesidades y cuidado de la Madre Tierra”.

Con sorpresa y a la vez con desconocimiento del contenido de la nueva ley reaccionaron ayer los líderes de los sectores productivos.

Demetrio Pérez, titular de la Asociación Nacional de Productores de Oleaginosas y Trigo (Anapo), dijo desconocer los alcances generales de la nueva norma, pero se refirió al tema de la prohibición de transgénicos lamentando que el Gobierno ponga trabas al desarrollo productivo.

Sin embargo, Pérez considera que muchas cosas pueden cambiar en torno a esta norma, sobre todo cuando ingrese a la fase de reglamentación donde necesariamente contará con la participación de todos los sectores involucrados. “Si vamos a seguir pensando así, prohibiendo el desarrollo, vamos a perder terreno y terminaremos dependiendo de otros países que apuestan fuerte por su desarrollo; ahí está el caso de Paraguay, que su producción crece gracias a los transgénicos”, indicó.

Mientras, el presidente de la Cámara Agropecuaria del Oriente (CAO), Julio Roda, se disculpó argumentando desconocer la nueva ley y por estar retornando de un viaje.

El presidente de la Confederación de Ganaderos de Bolivia (Congabol), Mario Hurtado, se limitó a señalar que se había dado un paso importante con la eliminación del instructivo para expropiar tierras mayores a 5.000 hectáreas por parte del INRA, pero que con esta nueva ley puede volver la incertidumbre.

 Puntos sugerentes de la norma  

Sagrada. La ley considera a la Madre Tierra “sagrada” y un sistema viviente dinámico conformado por la comunidad indivisible de todos los sistemas de vida y los seres vivos que tienen un destino común.

Control. La protección de sus derechos debe estar a cargo de la Defensoría de la Madre Tierra, la Fiscalía, el Tribunal Agroambiental y todas las autoridades del Estado, según la norma, aunque no se detalla desde cuándo funcionará la primera institución.

Justicia. La norma también incluye el concepto de la “justicia climática” para reconocer el derecho a reclamar un desarrollo integral del pueblo boliviano y de las personas afectadas por el cambio climático.

Recursos. Se crea además el Fondo Plurinacional de la Madre Tierra y otro de Justicia Climática para conseguir y administrar recursos económicos estatales y extranjeros con el objetivo de impulsar acciones de mitigación del cambio climático.

Distribución. También establece que las tierras fiscales serán dotadas, distribuidas y redistribuidas de manera equitativa con prioridad a las mujeres, pueblos indígenas originarios campesinos, comunidades interculturales y afrobolivianas que no las posean.

Regulación. La norma establece además la regulación y el control de extranjerización en la propiedad, acceso y aprovechamiento de los componentes de la Madre Tierra y que actividades económicas como la minera y la petrolera se enmarquen en los principios de esta norma. Habrá 120 días para su reglamentación.

Medidas para garantizar alimentos

La ley de Revolución Productiva, dotación de semillas, Seguro Agrícola y el Observatorio Agroambiental son parte de las medidas que impulsa el Gobierno para garantizar la seguridad alimentaria en el país, según informó el representante del Viceministerio de Desarrollo Rural, Armando Sánchez.

El funcionario destacó el apoyo que se brinda al sector productivo del país para fortalecer la producción e incremento de productos agrícolas.

Asimismo, detalló que el Gobierno desde que se anunció el tratamiento de la Ley de Revolución Productiva apoya a los pequeños productores y a las organizaciones productivas campesinas con la ejecución de varios proyectos.

Uno de ellos, dijo que es la implementación de una empresa estratégica de semillas, la cual coadyuvará en la producción de semillas de calidad, además de producir fertilizantes y abonos orgánicos.

Por su parte, el Instituto Nacional de Seguro Agrario priorizará, en caso de desastres naturales, la atención de los pequeños productores que tengan problemas recurrentes con las condiciones climatológicas adversas. En el caso del observatorio agroambiental, permitirá desarrollar información primaria con relación a la superficie de producción, costos y demandas./ABI

Fonte: http://www.eldeber.com.bo/ley-elimina-el-latifundio-y-veta-a-los-transgenicos-/121015233320

Alegrando a Coca-Cola….

por Cíntia Barenho

Enquanto isso a revitalização do Largo Glênio Peres (Mercado Público) de Porto Alegre é financiado pela Vonpar (leia=se Coca-Cola) e “surpreendentemente” contará agora com 14 jatos de água, dispostos numa linha de 48 metros e que irão jorrar água numa altura de 2 metros. Sim, leitor(a), podia ser pior, podia não ser água etc e tal…. Segundo notícia veiculada aqui, o arquiteto Glênio Bohrer, vai direto ao assunto afirmando que:

“as mudanças também implicaram na aprovação de uma lei municipal que proíbe a realização de feiras que tradicionalmente ocorriam no local, como as de artesanato, a Feira Estadual de Economia Solidária. A única permitida a partir das mudanças é a do Peixe. “O Glênio Peres é um espaço nobre que recebia 20 feiras no ano. Foi avaliado que apenas a Feira do Peixe é pertinente quanto à contribuição ao município”, declara Glênio.”

Infelizmente tal espaço público está fadado ao interesse privado de uma empresa multinacional. Na luta constante pelo direito à cidade (mas não qualquer cidade como queremos no CEA), cidadãos e cidadãs portoalegrenses estão chamando, pelas redes sociais, um simbólico Banho junto ao Chafariz do Glênio Peres, agora dia 10/09 dia da provável inauguração desse símbolo do não bom uso da água, do dinheiro público (não podemos ser ingênuos em pensar que numa PPP só o privado investe $) e  muito menos do dinheiro daqueles que gastam seus trocos em lixo líquido. Por sinal, recentemente havia matéria de jornal afirmando que “Porto Alegre faz parceria para reduzir perdas de água”, sem comentários. Acham que a gente é o que?

Estamos cada vez mais precisando de democracia real, voltada ao interesses públicos e não de interesses privados, que na maioria das vezes dão-se em função das eleições…Pense nisso, já que estamos em processo eleitoral municipal.

Quanto a notícia abaixo, já deveríamos tê-la publicado, mas nem sempre damos conta de postar tantas informações pertinentes! Evo Morales, apesar de estar tendo uma política contraditória com os indígenas, acerta a mão definindo que ninguém “abre a felicidade”numa garrafa desse liquido, mas sim abre caminho para uma série de infelicidades, especialmente para sua saúde humana.

Evo Morales vai expulsar Coca-Cola da Bolívia no final do ano

A empresa deverá deixar país até o dia 21 de dezembro desse ano. Segundo governantes, o fim do calendário maia marca o fim de uma era, o capitalismo

O presidente Evo Morales decidiu expulsar a Coca-Cola da Bolívia. A decisão precisará ser cumprida até o dia 21 de Dezembro deste ano. Segundo o ministro do Exterior boliviano, David Choquehuanca, esta determinação está “em sintonia com o fim do calendário Maia” e será parte dos festejos para celebrar o fim do capitalismo e o início de “uma cultura da vida”. A festa ocorrerá no fim do dia, no solstício de verão (no Hemisfério Sul), na Ilha do Sol, situada no Lago Titicaca.

“O dia 21 de Dezembro de 2012 marca o fim do egoísmo, da divisão. O 21 de dezembro tem que ser o fim da Coca-Cola e o começo do mocochinche (refresco de maçã, um refrigerante muito popular no país). Os planetas se alinham após 26 mil anos. É o fim do capitalismo e o início do comunitarismo”, disse Choquehuanca, em um ato ao qual compareceu o presidente do país

A medida, que atrai os holofotes da mídia para o governo boliviano, reforça a determinação de Evo Morales no reforço a um Estado socialista. Ele tem recebido várias críticas de seus eleitores por agir “devagar demais”, segundo as críticas, em determinar o fim do capitalismo naquela nação andina.

A medida também visa melhorar a saúde da população. A Coca-Cola, assim com a maioria dos refrigerantes industrializados, contem substâncias comprovadamente nocivas ao corpo e cujo consumo constante se associa a infartos cardíacos e derrames cerebrais.

Fonte: OutrasPalavras

O presidente da Bolívia promulgou hoje a Lei 180 de proteção do Território Indígena Parque Nacional Isiboro Sécure (Tipnis), antes sancionada na Assembleia Legislativa Plurinacional, que anula a construção de uma estrada na região. O governo boliviano denunciou que a mobilização em defesa do Tipnis esteve contaminada com elementos políticos que buscaram a desestabilização do governo.

O presidente da Bolívia, Evo Morales, promulgou hoje a Lei 180 de proteção do Território Indígena Parque Nacional Isiboro Sécure (Tipnis), antes sancionada na Assembleia Legislativa Plurinacional.

Na cerimônia realizada no Palácio Queimado, Morales recordou que a proposta da estrada por essa reserva natural, recusada por uma marcha de nativos e que agora se anula pelo regulamento, era uma histórica reivindicação.

Morales disse no ato, no qual estiveram presentes participantes da caminhada que partiu no dia 15 de agosto da cidade de Trinidad e percorreu mais de 600 quilômetros até chegar a La Paz, que há um pedido clamoroso de dezenas de organizações sociais e habitantes do parque sobre a construção de estradas.

Não se trata de um pedido do Evo Morales, como afirmaram vários meios de comunicação, nem grupos políticos que se aproveitaram dessa reivindicação indígena, afirmou.

Morales denunciou que nos Estados Unidos alguns emigrantes também se aproveitaram do Tipnis e solicitaram a invasão da Bolívia.

Com relação ao período de negociações com os indígenas que se mobilizaram em defesa do parque, Morales afirmou que o trabalho do Governo foi honesto e transparente, em atenção às demandas de organizações como a Confederação de Povos Indígenas do Oriente Boliviano (Cidob).

Na atividade também usaram a palavra dirigentes da marcha como Miriam Yuganore, Fernando Vargas e Adolfo Chávez para ressaltar a solidariedade dos bolivianos com a defesa da natureza e o respeito aos direitos dos povos indígenas.

A atual regulamentação contempla as emendas do próprio Morales a uma lei curta do legislativo, entre as quais destaca-se declarar intangível essa reserva natural e que nenhum projeto de estrada a atravesse.

A medida estabelece o trabalho conjunto entre Estado e indígenas para a elaboração de um regulamento.

A respeito, o vice-presidente da Bolívia e máxima autoridade do parlamento, Alvaro García, alertou que no interior do parque existem empresas madeireiras, pistas de aterrissagem, serralheria e até entidades da Argentina e dos Estados Unidos que fomentam o turismo.

O Tipnis não é o pulmão do mundo que alguns querem apresentar, disse.

Desta maneira ficou anulado o projeto da estrada de 177 quilômetros que ia ser construído com financiamento do Brasil e passaria pelo parque.

As emendas de Morales assinalam também a conformação de uma delegação tripartida entre o Estado, o setor privado e os indígenas, para que em um prazo não maior de 30 dias vá ao parque para adotar as ações pertinentes.

Além disso, a iniciativa presidencial recolhe outras modificações tais como suspender uma consulta prévia sobre a estrada e prever medidas para evitar domínios e ocupações ilegais de terrenos.

Autoridades bolivianas denunciaram também que a mobilização em defesa do Tipnis esteve contaminada com elementos políticos que tensionaram o diálogo e buscaram o confronto e a desestabilização do governo.

Enquanto isso, o Executivo assegurou condições para que os participantes da marcha, instalados em uma vigília na central Praça Murillo, retornem nas próximas horas a seus lugares de origem.

Fotos: Prensa Latina/Carta Maior

BNDES – Índios declaram guerra a “estrada brasileira” na Bolívia

Valor Econômico, em 09 de agosto de 2011

A construção de uma rodovia na Bolívia, com financiamento do BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO e SOCIAL (BNDES), colocou líderes indígenas bolivianos em pé de guerra com o presidente Evo Morales e com a construtora brasileira OAS.

A estrada, que ligará os Departamentos (províncias) de Cochabamba e Santa Cruz, terá 306 km e começou a ser aberta no último dia 3 de junho. A obra está estimada em US$ 415 milhões, dos quais US$ 322 milhões veem de financiamento do banco brasileiro. O foco da tensão é o trecho 2 da estrada, com 177 km de extensão e que atravessa o Território Indígena Parque Nacional Isiboro Sécure (Tipnis), uma reserva de 1,091 milhão de hectares onde vivem entre 10 mil e 12 mil nativos dos povos moxeño, yurakaré e chimane.

Após semanas de um debate acalorado com o governo, os líderes indígenas locais decidiram na sexta-feira não permitir que a estrada corte o seu território, colocando em risco a execução da obra financiada pelo Brasil. “Nós realizamos um encontro, uma assembleia, e a decisão foi negar a passagem do trecho 2 da estrada porque ele atenta contra a integridade do parque”, disse ao Valor Adolfo Moye, presidente da Subcentral Tipnis, que representa as 64 comunidades indígenas do território. “Foi um “não” rotundo e inegociável. Não vamos aceitar.” Além do impacto ambiental sobre suas terras, Moye disse que a rodovia vai estimular a chegada de “colonizadores e a proliferação do cultivo da coca na região”. Ele afirmou ainda que a obra despertará o interesse de empresários pela exploração de madeira e hidrocarbonetos – cuja existência não é comprovada por nenhum estudo, segundo fontes – dentro da reserva. E criticou o governo brasileiro e a construtora. “Essa estrada não leva em conta o valor cultural e social das comunidades nem o serviço que se presta ao mundo ao preservar o ambiente. Há hidrocarbonetos [na reserva], e a segunda parte do projeto é explorá-los”, disse Moye. “O Brasil e a OAS estão pondo em risco a existência de comunidades em nome do desenvolvimento econômico e empresarial.”

Dos três trechos previstos para a estrada, o 2 é o único que ainda não começou a ser construído.

Questionado sobre o tema por jornalistas locais na semana passada, o embaixador do Brasil em La Paz, Marcel Biato, explicou que os recursos do BNDES para esse trecho somente serão liberados depois da conclusão dos estudos de impacto socioambiental, um pré-requisito do banco. A declaração técnica do embaixador, no entanto, serviu para esquentar o debate. Alguns meios locais chegaram a noticiar que o Brasil havia “congelado” o desembolso de recursos para a obra. A notícia gerou um mal-estar no governo boliviano e irritou Evo Morales. “Sim, ainda falta fazer consulta [estudo de impacto ambiental] para o segundo [trecho da obra], mas isso não é uma atribuição do governo do Brasil, e sim uma responsabilidade do governo nacional”, disse Morales em entrevista coletiva. O presidente chegou a chamar os opositores da obra de “inimigos da pátria”. E sugeriu que os líderes cocaleiros conquistassem as mulheres indígenas da região para que seus povos aceitassem a construção da rodovia, o que provocou a ira de feministas no país.

A construção da estrada expõe conflitos internos na Bolívia, mas também divide opiniões dentro do governo brasileiro, segundo apurou o Valor. Uma corrente a vê como uma obra fundamental para a integração do país vizinho, que permitirá escoar a produção agropecuária entre Beni e Cochabamba e levará desenvolvimento econômico à região. Outra parte acredita que o financiamento do BNDES não deveria ter sido aprovado antes de um consenso entre governo e índios. “Teremos problemas, qualquer que seja a posição que tomemos”, disse ao Valor uma fonte do governo familiarizada com o tema. “Se o BNDES não liberar o financiamento, a relação entre Evo Morales e o Brasil vai estremecer. Se liberar do jeito que está, o Brasil será lembrado como um espoliador por décadas. É a crônica de um problema anunciado.”

Além disso, há temor, tanto por parte dos índios quanto de setores no Brasil, quanto à proliferação indiscriminada do plantio de coca na região. A plantação de coca já avança em vastas áreas dentro do parque, o que preocupa os indígenas. Teme-se ainda que seja criada, com a rodovia, uma nova rota para o tráfico de cocaína, cujo principal destino seria o Brasil. Segundo o BNDES, ainda não foi feita nenhuma liberação de recursos para a rodovia, que liga as cidades de San Ignacio de Moxos (Beni) e Villa Tunari (Cochabamba). Isso porque as obras recém começaram, e o dinheiro é liberado de acordo com a execução dos trabalhos. Mas os contratos para os trechos 1 e 3 já estão assinados, o que ainda não ocorreu em relação ao trecho 2. Com 177 km de extensão, o trecho 2 responde por cerca de 40% do valor total da rodovia.

O início das obras está previsto para agosto de 2012, disse ao Valor Augusto César Uzêda, diretor-superintendente da área internacional da OAS. Ele afirmou que a estrada deverá ser concluída em 2014. Uzêda disse que ainda não há um traçado definitivo para o trecho da rodovia que corta o parque, o que está sendo discutido entre o governo local e os indígenas. “Hoje se busca um traçado que atenda às necessidades da população e que tenha o menor impacto ambiental possível”, afirmou, acrescentando que a OAS não participa dessa discussão.

Diferentes fontes do governo brasileiro estimam que um eventual desvio na estrada acrescentaria de US$ 60 milhões a US$ 250 milhões ao valor total da obra, exigindo, inclusive, mais dinheiro do BNDES. Mas, para ser viável, a estrada precisa atravessar a reserva. A construção da rodovia é fruto de um acordo entre o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, em seu segundo mantato, e Evo Morales.

Em 2009, o projeto foi alvo de uma investigação da Controladoria-Geral da Bolívia por suspeita de superfaturamento e favorecimento. A OAS foi a única empresa a participar da licitação da obra, realizada em 2008.

Fabio Murakawa

Fonte: http://www.riosvivos.org.br/Noticia/BNDES+++Indios+declaram+guerra+a++estrada+brasileira++na+Bolivia++/17427

Publicado por Thiago Beleza em Hornos a Chiapas

Notícia retirada daqui.

País dá exemplo ao mundo

A Bolívia está em vias da aprovar a primeira legislação mundial dando à natureza direitos iguais aos dos humanos. A Lei da Mãe Terra, que conta com apoio de políticos e grupos sociais, é uma enorme redefinição de direitos. Ela qualifica os ricos depósitos minerais do país como “bençãos”, e se espera que promova uma mudança importante na conservação e em medidas sociais para a redução da poluição e controle da indústria, em um país que tem sido há anos destruído por conta de seus recursos, informa oCelsias.

Na Conferência do Clima de Cancun, a Bolívia destoou da maioria quando declarou que todo o processo era uma farsa, e que países em desenvolvimento não apenas estavam carregando a cruz da mudança do clima como, com novas medidas, teriam de cortar também mais suas emissões.

A Lei da Mãe Terra vai estabelcer 11 direitos para a natureza, incluindo o direito à vida, o direito da continuação de ciclos e processos vitais livres de alteração humana, o direito a água e ar limpos, o direito ao equilíbrio, e o direito de não ter estruturas celulares modificadas ou alteradas geneticamente. Ela também vai assegurar o direito de o país “não ser afetado por megaestruturas e projetos de desenvolvimento que afetem o equilíbrio de ecossistemas e as comunidades locais”.

Segundo o vice-presidente Alvaro García Linera. “ela estabelece uma nova relação entre homem e natureza. A harmonia que tem de ser preservada como garantia de sua regeneração. A terra é a mãe de todos”.  O presidente Evo Morales é o primeiro indígena americano a ocupar tal cargo, e tem sido um crítico veemente de países industrializados que não estão dispostos a manter o aquecimento da temperatura em um grau. É compreensível, já que o grau de aquecimento, que poderia chegar de 3.5 a  4 graus centígrados, dadas tendências atuais, significaria a desertifição de grande parte da Bolívia.

Esta mudança significa a ressurgência da visão de um mundo indígena andino, que coloca a deusa da Terra e do ambiente, Pachamama, no centro de toda a vida. Esta visão considera iguais os direitos humanos e de todas as outras entidades. A Bolivia sofre há tempos sérios problema ambientais com a mineração de alumínio, prata, ouro e outras matérias primas.

O ministro do exterior David Choquehuanca disse que o respeito tradicional dos índios por Pachamama é vital para impedir a mudança do clima. “Nossos antepassados nos ensinaram que pertencemos a uma grande família de plantas e animais. Nós, povos indígenas, podemos com nossos valores contribuir com a solução das crises energética, climática e alimentar”.  Segundo a filosofia indígena, Pachamama é “sagrada, fértil e a fonte da vida que alimenta e cuida de todos os seres viventes em seu ventre.”

https://i0.wp.com/www.americanmeditation.org/images/MotherEarthNoText.jpg

A proposta dos movimentos camponeses e indígenas inclui a proibição de atividades econômicas que afetem o meio ambiente, como aquelas realizadas na Bolívia por dezenas de empresas mineradoras, florestais e de hidrocarbonetos.

As organizações indígenas e camponesas reunidas no Pacto de Unidade apresentaram à Assembleia Legislativa Plurinacional um projeto de lei da Mãe Terra. Este documento reconhece o planeta como um ser vivo e, portanto, com direitos. A proposta inclui a proibição de atividades econômicas que afetem o meio ambiente, como aquelas realizadas na Bolívia por dezenas de empresas mineradoras, florestais, de hidrocarbonetos e outras que deterioram as “bondades da natureza”, como optam por chamar os recursos naturais. Os deputados se comprometeram a debater o texto nas próximas semanas. O governo de Evo Morales pretende apresentar esta lei na próxima Conferência da ONU sobre Mudança Climática, que acontecerá no México em dezembro.

O projeto foi elaborado pelas cinco confederações nacionais indígenas e camponesas que apoiaram Morales para que chegasse ao Palácio Quemado em 2006. Foi construído em dezenas de encontros que as organizações realizaram em todo o país.

“Agradeço ao Pacto de Unidade pela capacidade e a honra para trabalhar propostas de lei. Agora a nossa obrigação é aprová-la. Talvez haja alguma vírgula para mudar ou algo que possamos complementar. Do contrário, será aprovada dentro de 15 dias”, disse o senador do MAS Isaac Avalos na Praça Murillo, quando recebeu o texto das mãos dos dirigentes do Pacto.

Há meses, Avalos era secretário-executivo da Confederação Sindical Única de Trabalhadores Camponeses da Bolívia (Csutcb), à qual está filiado o presidente aymara. Comprometeu-se a trabalhar pela aprovação da proposta porque “nunca vamos nos esquecer dos movimentos sociais”, assegurou aos centenas de indígenas e camponeses na praça. Haviam marchado de Ceja de El Alto, debaixo de uma chuva gelada, para comemorar a chegada de Cristóvão Colombo e para entregar o projeto aos legisladores.

O Pacto de Unidade havia apresentado em 2006 um anteprojeto de Constituição à Assembleia Constituinte. Depois de várias modificações, esse documento serviu de base à atual Carta Magna. Mesmo que na aparência tenham muita proximidade com o governo de Morales, as organizações querem maior participação na gestão do Estado Plurinacional.

“Continuamos longe do Estado. Como há cinco anos, ainda o vemos estranho. Com este projeto esperamos dar a linha do horizonte para onde estamos indo. Não podemos ver o Estado e o governo longe das organizações. Temos que nos apropriar deste processo e avançar. O processo de mudança vai se instaurar somente quando fizermos leis desde abaixo”, disse a secretária-executiva da Confederação de Mulheres Camponesas Indígenas Originárias da Bolívia “Bartolina Sisa” (Cnmciob BS), Julia Ramos, que fora ministra do Desenvolvimento Rural no primeiro mandato de Morales.

A iniciativa recolhe as conclusões da Conferência Mundial dos Povos sobre Mudança Climática e Direitos da Mãe Terra, realizada em abril passado em Cochabamba com a participação de 30.000 pessoas de todo o mundo.

Para as organizações, um dos pontos mais conflitivos do projeto se refere ao direito à consulta vinculante que as comunidades indígenas e camponesas têm quando o Estado quer explorar recursos naturais de seus territórios. Assim figura na Constituição, no Convênio 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e na Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas, ambos com status de lei na Bolívia.

Mas, em várias normativas já aprovadas pela Assembleia Legislativa, assim como no projeto governamental de Lei da Mãe Terra, o direito à consulta é reconhecido, mas não considerado vinculante. Isto quer dizer que as comunidades não poderiam vetar as iniciativas econômicas que afetem as suas populações. Segundo o Pacto de Unidade, o direito à consulta não teria sentido se suas opiniões não fossem levadas em conta pelo governo.

Depois que as organizações entregaram sua proposta, realizaram uma oferenda à Pachamama para que fosse aprovada “sem que tirem uma vírgula”, segundo o mallku de Indústrias Extrativas do Conselho Nacional de Ayllus e Markas do Qullasuyu (Conamaq), Rafael Quispe. A cerimônia foi atrapalhada pela chuva, e também pela ação de policiais que não queriam permitir a realização do ato frente ao Legislativo. Mas a presença de meios de comunicação fez com que os uniformizados deixassem de escancarar as contradições do Estado Plurinacional.

A maior parte dos ingressos na Bolívia provém da exploração de hidrocarbonetos e minerais. Neste sentido, o texto estabelece que “a exploração, industrialização, comercialização e toda a cadeia produtiva deve usar tecnologia adequada que não polua a Mãe Terra”.

Também proíbe este tipo de atividades “dentro de áreas protegidas, lugares sagrados dos povos indígenas originários camponeses, comunidades interculturais, afrobolivianos e lugares de fragilidade ecológica”. O governo boliviano espera que a Lei da Mãe Terra esteja promulgada para a COP 16, a ser realizada em dezembro em Cancún.

O Pacto de Unidade é integrado pela Cnmciob BS, o Conamaq, a Confederação de Povos Indígenas da Bolívia (Cidob) e a Confederação Sindical de Comunidades Interculturais da Bolívia (Cscib).

A reportagem é de Sebastián Ochoa e está publicada no jornal argentino Página/12, 13-10-2010. A tradução é do Cepat.

Fonte: Ecodebate

Mais que um direito humano, deve ser um direito inalienável de todos os seres….

 

A guerra da água na Bolívia, em 2000, foi um exemplo para a humanidade

A guerra da água na Bolívia, em 2000, foi um exemplo para a humanidade

A água é um direito humano inalienável

O presidente boliviano Evo Morales, com sua sensibilidade indígena e profundo sentido dos elementos da natureza,  deu um xeque-mate na ONU ao apresentar um projeto para que o acesso à água seja declarado um direito humano. O argumento irrespondível foi simples como a jogada mortal do xadrez: Se um dos Objetivos do Milênio para 2015 é a dotação de água potável e saneamento em todo o mundo, como atingi-lo sem declarar a água como um direito humano inalienável.

Evo usou não apenas sua habilidade de enxadrista, que enfrentou mês passado o ex-campeão mundial Anatoly Karpov, como a prórpia experiência boliviana. Em 1999, a empresa norte-americana Bechtel assinou contrato com então governo boliviano do general Hugo Banzer para privatizar a água em Cochabamba, a terceira cidade da Bolívia. Com a privatização, veio o aumento do preço da água que chegou a quase 180%. A conta de água chegou a 20 dólares por mês num local em que o salário mínimo era inferior a 100 dólares mensais.

Os camponeses se levantaram, cercaram a cidade e após idas e vindas, com prisões, assassinatos e censura, a Bechtel foi expulsa do país e o controle da água retomado pela população. Um dos lemas dos bolivianos à época era “a água é um presente de Deus e não uma mercadoria.”

Estima-se que mais de um bilhão de pessoas, principalmente no mundo em desenvolvimento, não têm acesso à água, e o Banco Mundial prevê que dois terços da população mundial sofrerá com a falta de água em 2025. A privatização da água agrava este quadro de exclusão.

Evo Morales, o índio que a elite boliviana e sul-americana tenta apresentar como incapaz, revela sua grandeza ao estender sua precupação para o mundo. “Em alguns países, infelizmente, a água está como um direito e negócio privado, quando deveria ser de serviço público… Sem água não podemos viver”, disse Evo quando apresentou seu projeto hoje, em La Paz.

A proposta de Evo merece se tornar bandeira de todos nós que estamos comprometidos com o ser humano e o bem estar social. A privatização dos recursos hidricos é um crime que não podemos tolerar.

A guerra da água na Bolívia, em 2000, foi um exemplo para a humanidade

Fonte: Tijolaço

Na Conferêncihttps://i1.wp.com/www.truthdig.com/images/reportuploads/naomiklein2_300.jpga Mundial dos Povos sobre as Mudanças Climáticas (CMPCC), a jornalista e escritora canadense pediu maior pressão sobre os países desenvolvidos. Evo Morales pede a 2º CMPCC na Europa.

Durante o painel “Dívida climática: o que é e quem são os responsáveis”, realizado na manhã desta quarta-feira (21), Naomi Klein enfatizou que mudanças concretas na questão ambiental dependem de mudanças nos países de capitalismo avançando, uma vez que eles, que correspondem a cerca de 20 % da população mundial, são responsáveis por mais de 70% das emissões de poluentes.

“Temos que levar a responsabilidade aos países ricos. O meu país [Canadá] assinou o protocolo de Kioto, mas desde então, ao invés de reduzir, aumentaram em 35% a poluição. Há que se buscar algum tipo de punição para isso”, afirmou.

Klein ressaltou que os países pobres, além de emitir muito menos gases poluentes, são os que mais são afetados pelos efeitos das mudanças climáticas: “Na Conferência de Copenhague vimos a falta de poder de países como as Maldivas, um país de ilhas que podem desaparecer pelo aumento do nível do mar. Eles tem que negociar para poder sobreviver! E, pior, não chegam a um acordo.”

Sem pressão política aos países ricos, a canadense disse que eles seguirão buscando soluções para a crise ambiental através das “empresas que estão se preparando para as mudanças climáticas com a bioengenharia, criando sementes mais resistentes, por exemplo”.

As colocações de Naomi Klein coincidem com as posições do presidente da Bolívia, Evo Morales, que, em uma coletiva de imprensa nessa quarta-feira (21), afirmou que a próxima conferência mundial de movimentos sociais deveria ser na Europa. “Os movimentos da Europa deveriam dizer em qual país [deveria ser realizada a conferência]. Creio que é importante ir ao centro dos países desenvolvidos para debater com eles”, completou Morales.

Mesa 18
A polêmica “Mesa 18” foi instalada nesta terça-feira (21), funcionando também na quarta (22). Com o intuito de debater exclusivamente os impactos ambientais na Bolívia, assunto não aceitado pelo governo boliviano sob alegação de que a CMPCC tratava de temas globais e não nacionais, organizações sociais armaram paralelamente a Mesa 18. Entre elas estão o Conselho Nacional de Ayllus e Markas do Qullasuyu (Conamaq), a Confederação dos Povos Indígenas da Bolívia (Cidob) e o Centro de Estudos Jurídicos e Investigação Social (Cejis).

“O Evo em seus discursos afirma que a causa da depredação ambiental é o capitalismo. E são as empresas capitalistas com presença na Bolívia que estão produzindo uma série de impactos, destruindo populações e ecossistemas, aos quais o governo boliviano não está protegendo. Ao contrário, está com uma estratégia de industrialização forçada”, explicou o organizador da Mesa 18 e pesquisador da Universidad Mayor de San Simón, Carlos Crespo.

De acordo com Crespo, há um mapa amplo de conflitos ambientais, onde as comunidades indígenas e camponesas estão brigando contra atividades econômicas legitimadas por políticas públicas:

“Há a construção de uma hidroelétrica no norte-amazônico boliviano, para exportar energia ao Brasil, as explorações mineiras em Coro-coro (norte de La Paz) e no Salar do Uyuni (Potosí), onde atua a empresa japonesa Sumitomo, uma das maiores do mundo e que demanda 40 a 50 mil metros cúbicos de água por dia, numa região desértica. No tema de hidrocarbonetos, o governo decidiu explorar petróleo em parques nacionais e terras de povos indígenas, em associação com capital venezuelano e capital gringo. Além da construção da estrada Villa Tunari-San Ignácio de Mojos, que parte pela metade um parque nacional e um território indígena.”

Porém, o pesquisador garantiu que a Mesa 18 não é um espaço da oposição ao governo.

“Pelo contrário, as comunidades que estão vindo denunciar seus casos são apoiadores integrais do governo. Evo é seu líder, apóiam o processo de mudanças, mas dizem ‘esperamos que nosso líder nos defenda, nos proteja’”, completou.

Fonte: Brasil de Fato/Minga Informativa de Movimientos Sociales

https://i1.wp.com/www.pressenza.com/uploads/assets/530a6f3918264148080d6bb2be0ddb035a6fc159.1280x960.jpg

Image by: Jessica Fierro

Urge “descolonizar la atmósfera” por encima de ideologías, dice el presidente boliviano

por Rosa Rojas

Tiquipaya, Bolivia, 21 de abril. “Ahora es más importante defender los derechos de la madre tierra que defender los derechos humanos, porque defendiendo los derechos de la madre tierra, defendemos los derechos humanos”, declaró el presidente de Bolivia, Evo Morales.

“Es más importante respetar los derechos de la madre tierra que los derechos humanos, porque si la acción depredadora de la irracional industrialización provoca la desaparición del planeta, no habrá seres humanos”, sostuvo Morales en el tercer día de la Conferencia Mundial de los Pueblos sobre el Cambio Climático y los Derechos de la Madre Tierra.

Añadió que el debate sobre el cambio climático y los “derechos de la madre tierra” están por encima de las ideologías. Subrayó que así como en la década de los 40 fue enarbolada ante la Organización de Naciones Unidas (ONU) la defensa de los derechos humanos y después de los derechos políticos y económicos, subrayó que ahora el nuevo paradigma es la lucha por la vida y los derechos de la naturaleza.

“Ahora tenemos un nuevo paradigma planetario para defender la vida, sin hablar de capitalismo, socialismo o comunismo; el nuevo paradigma planetario es la defensa de la madre tierra”, afirmó en una conferencia de prensa, y expuso que es necesario “descolonizar la atmósfera” por encima de ideologías, velando por los intereses de la vida, de la humanidad y de la naturaleza.

Indicó que luego de la caída del Muro de Berlín, en 1989, los socialistas se quedaron sin rumbo, pero “ahora desde Tiquipaya los pueblos del mundo marcan el camino” por la defensa y los derechos de la tierra, con esta conferencia convocada por su gobierno en respuesta al fracaso de la Cumbre de Copenhague, realizada en diciembre pasado a instancias de la Organización de Naciones Unidas.

Reiteró el planteamiento de que Bolivia no acepta condicionamientos del Banco Mundial, del Fondo Monetario Internacional ni de Estados Unidos, y citó que en la conferencia sobre el clima en Copenhague “el imperio” quiso chantajear y humillar a algunos países de África “ofreciendo plata (dinero) para que aceptaran el documento” que pretendían imponer los países desarrollados.

A la pregunta de si los países desarrollados aceptarán el Tribunal de Justicia Ambiental propuesto por él y que se da por seguro que su creación será una de las conclusiones de la conferencia, contestó que es posible que dichos países no lo acepten, pero “con la fuerza de los pueblos vamos a hacer que sea aceptada”, de modo que haya penalidades si no reducen sus emisiones de gases invernadero.

Morales también pidió a los movimientos sociales de Europa albergar en esa región el debate sobre la problemática del cambio climático, al tiempo que abogó porque los colosales gastos de guerra se destinen a la madre tierra. Además, dijo, es necesario conformar una organización intercontinental que defienda la conclusiones de Tiquipaya ante los gobiernos y la ONU.

En una de las mesas de discusión en esta conferencia, expertos de diversos países del mundo coincidieron en que el pago de la “deuda climática” no significa transferir recursos a los países pobres para seguir contaminando el planeta, citó la Agencia Bolivariana de Información (ABI).

La prestigiosa ensayista y colaboradora de La Jornada, Naomi Klein, afirmó que los países ricos no sólo deben hacerse cargo del peso económico de la crisis climática, que afecta más a los países pobres, sino asumir la decisión de frenar su endeudamiento.

“Hay que buscar un castigo para el incumplimiento de las medidas destinadas a frenar la deuda climática”, porque “de lo que se trata es de que los países ricos paguen los costos de adaptación a un clima cambiante y recortar sus propios niveles de emisión (de gases)”, dijo.

La activista explicó que una simple transferencia financiera no frenará el “endeudamiento climático” ni mucho menos la crisis ambiental global, aunque consideró que para los países industrializados es más sencillo pagar para mantener su estado de vida “consumista”.

Beverly Keene, coordinadora internacional de Jubileo Sur, dijo que los países desarrollados no pueden seguir dependiendo de los países sudamericanos, entre otros, sino que deben comenzar a solucionar los “daños y perjuicios” que causa su modo de vida.

Una propuesta de Declaración de Derechos de la Madre Tierra a la ONU es el rechazo a los mercados de carbono que sólo benefician a los países desarrollados y a las trasnacionales y les permiten evadir sus responsabilidades frente al cambio climático, y una marcha mundial contra la criminalización de movimientos indígenas y sociales, son algunas de las conclusiones de los grupos de trabajo.

Periódico La Jornada

A Conferência Mundial dos Povos sobre Mudanças Climáticas e os Direitos da Mãe Terra, que acontece de 20 a 22 de abril, em Cochabamba, na Bolívia, tem por objetivo, entre outras coisas, elaborar uma Declaração Universal dos Direitos da Mãe Terra, em complemento à Declaração Universal dos Direitos Humanos. O esboço que será transformado em texto final durante o evento foi elaborado em 6 de fevereiro de 2010. Confira

https://i0.wp.com/www.americanmeditation.org/images/MotherEarthNoText.jpg

Declaração Universal dos Direitos da Mãe Terra

PREÂMBULO
Nós, os povos do Mundo:

Reconhecendo com gratidão que a Mãe Terra nos dá vida, nos alimenta e nos ensina e provê de tudo o que necessitamos para viver bem;

Reconhecendo que a Mãe Terra é uma comunidade indivisível de seres diversos e interdependentes com os que compartilhamos um destino comum e com os que devemos nos relacionar de formas que beneficiem à Mãe Terra;

Reconhecendo que ao dominar e explorar a Mãe Terra e outros seres, os seres humanos causaram grande destruição, degradação e alteração das comunidades, dos processos e dos equilíbrios que sustentam a vida da Mãe Terra, que agora são uma ameaça para o bem estar e a existência de muitos seres;

Conscientes de que essa destruição é também prejudicial a nosso bem estar interno e é ofensiva para muitas crenças, tradições e sabedorias das culturas indígenas para quem a Mãe Terra é sagrada;

Profundamente conscientes da importância fundamental de adotar com urgência decisiva a ação coletiva para evitar que os seres humanos causem as mudanças climáticas e outros impactos sobre a Mãe Terra que ameaçam o bem estar e a sobrevivência dos seres humanos e outros seres;

Aceitando nossa responsabilidade uns sobre os outros, as gerações futuras e a Mãe Terra para curar os danos causados pelos seres humanos e transmitir às futuras gerações valores, tradições e instituições que apóiem o florescimento da Mãe Terra;

Convencidos de que para que as comunidades de seres humanos e outros seres floresçam há que estabelecer sistemas para regular a conduta humana, que reconheçam os direitos inalienáveis da Mãe Terra e de todos os seres que são parte dela;

Convencidos de que as liberdades e direitos fundamentais da Mãe Terra e de todos os seres devem ser protegidos pelo princípio de legalidade e que os deveres correspondentes dos seres humanos para respeitar e defender esses direitos e liberdades devem ser impostos por lei;

Proclamamos a presente Declaração Universal dos Direitos da Mãe Terra para complementar a Declaração Universal dos Direitos Humanos e a fim de que sirva como um fundamento comum mediante o qual a conduta de todos os seres humanos, organizações e culturas podem se guiar e avaliar e

Nos comprometemos a cooperar com outras comunidades humanas, as organizações públicas e privadas, os governos e as Nações Unidas para garantir o reconhecimento universal e eficaz e a observância das liberdades fundamentais, os direitos e deveres consagrados nesta Declaração, entre todos os povos, as culturas e os estados da Terra.

Artigo 1. Direitos, liberdade e obrigações fundamentais
(1) A Mãe Terra é indivisível, a autorregulação da comunidade dos seres entre si, cada um dos quais se define por suas relações dentro desta comunidade e com o Universo como um todo. Aspectos fundamentais destas relações se expressam na presente Declaração como direitos inalienáveis, as liberdades e direitos.

(2) Esses direitos fundamentais, liberdades e deveres derivam da mista fonte de existência e são inerentes a todos os seres, portanto são inalienáveis, não podem ser abolidos por lei e não são afetados pela situação política, jurídica ou internacional do país ou território em que um ser existe.

(3) Todos os seres têm direito a todos os direitos fundamentais e liberdades reconhecidos por esta Declaração, sem distinção de nenhum tipo, como pode ser entre seres vivos orgânicos e inorgânicos, seres não viventes, ou sobre a base da sensibilidade, da natureza, das espécies e do uso em seres humanos, ou qualquer outra condição.

(4) Assim como os seres humanos têm direitos humanos, outros seres também podem ter direitos adicionais, liberdades e deveres que são específicos para sua espécie e apropriados para seu papel e função dentro das comunidades em que existem.

(5) Os direitos de cada ser estão limitados pelos direitos de outros seres na medida do necessário para manter integridade, equilíbrio e saúde das comunidades em que existem.

Artigo 2. Direitos Fundamentais da Mãe Terra
A Mãe Terra tem direito a existir, persistir e continuar os ciclos, estruturas e processos vitais para sustentar a todos os seres.

Artigo 3. Direitos e liberdades fundamentais para todos os seres
Todo ser tem:
A) o direito de existir;
B) o direito a um hábitat ou lugar onde estar;
C) o direito a participar, de acordo com sua natureza, nos continuamente renováveis processos da Mãe Terra;
D) o direito a manter sua identidade e integridade como um ser distinto, autorregulado;
E) o direito a estar livre da poluição, contaminação genética e modificações de sua estrutura ou funcionamento que ameacem sua integridade ou funcionamento saudável e
F) a liberdade de se relacionar com outros seres e participar em comunidades de seres de acordo com sua natureza.

Artigo 4. Liberdade dos animais da tortura e da crueldade
Todo animal tem direito a viver livre de tortura, tratamento cruel ou castigo por parte dos seres humanos.

Artigo 5. Liberdade dos animais de confinamento e retiro de seu hábitat
(1) Nenhum ser humano tem direito a confinar outro animal ou retirá-lo de seu hábitat a menos que fazê-lo seja justificável com referência aos respectivos direitos, deveres e liberdades do ser humano e de outros animais implicados.

(2) Todo ser humano que confina ou mantém um animal deve se assegurar de que ele é livre para expressar seus comportamentos normais, tem uma alimentação adequada e está protegido de lesões, enfermidades, sofrimento e medo irracional, dor, angústia ou mal estar.

Artigo 6. Deveres fundamentais dos seres humanos
Os seres humanos têm uma responsabilidade especial de evitar atuar em violação desta Declaração e deve, urgentemente, estabelecer valores, culturas e sistemas jurídicos, políticos, econômicos e sociais, consistentes com esta Declaração que:

(a) promovam o reconhecimento, a aplicação e a execução das liberdades, direitos e obrigações estabelecidos nesta Declaração;
(b) assegurem que a busca do bem estar humano contribui ao bem estar da Mãe Terra agora e no futuro;
(c) evitem que os seres humanos causem interrupções prejudiciais para os ciclos, processos e equilíbrios ecológicos vitais, e comprometam a viabilidade genética e sobrevivência contínua de outras espécies;
(d) garantam que os danos causados por violações humanas das liberdades, direitos e deveres na presente Declaração sejam retificados assim que possível e que os responsáveis prestem contas para restaurar a integridade e o funcionamento saudável das comunidades afetadas e
(e) permitam às pessoas defender os direitos da Mãe Terra e todos os outros seres.

Artigo 7. Proteção da lei
Cada ser tem:
a) o direito de ser reconhecido em todo lugar como sujeito perante a lei;
b) o direito à proteção da lei e uma compensação justa em relação às violações ou ataques humanos a seus direitos e liberdades reconhecidos nesta Declaração;
c) o direito à proteção igualitária pela lei e
d) o direito à proteção igualitária contra qualquer discriminação por humanos em violação desta Declaração e contra qualquer provocação por sorte de discriminação.

Artigo 8. Educação humana
(1) Todo ser humano tem direito a ser educado em relação à Mãe Terra e como viver de acordo com esta Declaração;

(2) A educação humana deve desenvolver o pleno potencial dos seres humanos de modo a promover o amor pela Mãe Terra, compaixão, compreensão, tolerância e afeto entre todos os humanos e entre humanos e outros seres, e a observação das liberdades, direitos e obrigações fundamentais nesta Declaração.

Artigo 9. Interpretação
(1) O termo “ser” se refere a seres naturais que existem como parte da Mãe Terra e inclui uma comunidade de outros seres e todos os seres humanos sem importar que atuem ou não como um corpo, estado ou outra pessoa jurídica corporativa.

(2) Nada nesta Declaração poderá ser interpretado de tal modo que implique que um Estado, grupo ou pessoa tenha o direito de envolver-se em atividades ou levar a cabo atos que apontem para a destruição dos direitos e liberdades contidas.

(3) Nada nesta Declaração poderá ser interpretado de modo que se restrinja o reconhecimento de outros direitos, liberdades e obrigações fundamentais de todos os seres ou de qualquer ser em particular.

Aporte elaborado por Cormac Cullinan, condutor dos Direitos da Mãe Terra.

Fonte: Planeta Sustentável

Parque Tecnológico – Manifestação do Núcleo de Economia Alternativa e da Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares da UFRGS


O presidente boliviano, Evo Morales, um esquerdista de origem aimara, abriu, esta terça-feira, na Bolívia, uma conferência mundial de 20 mil ativistas para discutir propostas contra o aquecimento global e difundir uma mensagem clara: “ou morre o capitalismo, ou morre a Terra”.

“O capitalismo é sinônimo de inanição, o capitalismo é sinônimo de desigualdade, é sinônimo de destruição da mãe Terra. Ou morre o capitalismo, ou morre a Terra”, afirmou o presidente, na inauguração do evento no povoado de Tiquipaya, vizinho a Cochabamba, região central da Bolívia.

Em um campo de futebol diante de milhares de pessoas, o presidente disse que só os movimentos sociais do mundo, unidos a povos indígenas e intelectuais, “podem derrotar esse poder político e econômico (capitalismo), em defesa da mãe Terra”.

Durante três dias, Tiquipaya se tornará no centro de uma conferência mundial de aborígenes e movimentos sociais de 129 países, celebrada para debater uma proposta para enfrentar as mudanças climáticas, que será apresentada na próxima Conferência Climática da ONU, agendada para o fim deste ano, no México.

Morales assumiu, em dezembro passado, o compromisso de organizar uma reunião mundial da sociedade civil, após criticar, junto a colegas de Venezuela, Nicarágua e Cuba, as conclusões da Conferência do Clima de Copenhague que, segundo ele, não obteve o consenso mínimo necessário para conter o aquecimento global.

A inauguração se realizou em meio a uma festa folclórica no estádio do povoado de Tiquipaya, que não bastou para abrigar todas as pessoas que ali foram para ouvir o presidente.

Bandeiras de Bolívia, Peru, Chile, Equador, México e do ‘whipala’ – xadrez multicolorido, símbolo dos indígenas andinos – dominavam o estádio de Tiquipaya. Um barulhento grupo de argentinos gritava vivas para o presidente Morales e entoava cânticos esquerdista dos anos 1970.

Indígenas bolivianos quechuas e aimaras, bem como de Chile, Peru, América Central, Estados Unidos e Europa estiveram presentes à inauguração.

Ativistas antiglobalização de África, Oceania e países sul-americanos também integravam a multidão de movimentos sociais que exigiam das potências industrializadas que freassem o aumento da temperatura do planeta, com o slogan “mudem de modelo, não mudem o clima”.

“Há uma profecia, uma voz do norte, uma mensagem que diz à humanidade que temos que parar para não tirar a vida da Pachamama (mãe Terra em idioma quechua)”, declarou em inglês, com ajuda de um intérprete, Faith Gammill, que disse representar os indígenas do Alasca e do Canadá.

Alicia Bárcena, representante do secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-Moon, viveu um momento difícil ao ser vaiada no estádio.

Secretária-geral da Comissão Econômica para a América Latina (Cepal), Bárcena ameaçou retirar-se caso as vaias continuassem.

“Viemos escutar os povos com todo o respeito; vocês nos convidaram, mas se não querem que estejamos aqui, nós podemos nos retirar”, disse, embora em seguida tenha conseguido dar seu discurso.

Um total de 17 mesas de trabalho foram instaladas na Bolívia para debater temas principalmente referentes à formação de um tribunal de justiça climática – para punir as nações poluidoras -, a convocação de um referendo mundial – para frear acordos das potências sobre o clima – e a criação de um organismo paralelo à ONU para reforçar políticas ambientalistas.

O encontro se encerrará esta quinta-feira com a presença dos presidentes Hugo Chávez (Venezuela), Daniel Ortega (Nicarágua), Rafael Correa (Equador) e Fernando Lugo (Paraguai).

Morales impulsionou a celebração do encontro, após chamar de fiasco a Cúpula de Copenhague, no ano passado, e para gerar uma proposta alternativa para a próxima Cúpula Climática da ONU, no México.
Fonte: Ambiente Brasil

Nota de prensa

Desde hoy hasta el 22 de abril se celebra en Cochabamba, Bolivia, la Conferencia Mundial de los Pueblos por la Justicia Climática y los Derechos de la Madre Tierra para responder al fracaso de la Cumbre de Copenhague y buscar un nuevo impulso político que frene el problema socio-ambiental más grave de la humanidad.

Gente de todo el mundo inaugurará hoy la Conferencia Mundial de los Pueblos por la Justicia Climática y los Derechos de la Madre Tierra.  Convocado por el Gobierno de Evo Morales, tendrá la participación de comunidades indígenas, comunidades afectadas, movimientos sociales, científicos, juristas, parlamentarios, ONG y gobiernos comprometidos a promover la justicia social y ambiental.

Se han registrado 15.200 personas, 8.000 de ellos del extranjero. Según datos oficiales, de África llegarán representantes de 28 países, de Europa 28, de Asia 17, de Centroamérica 13, de Suramérica 12, de Oceanía seis y de Norteamérica tres. Entre las personalidades estarán Vandana Shiva (India), Adolfo Pérez Esquivel (Argentina), François Houtard (Bélgica), Miguel D’Escoto (Nicaragua), Frei Betto y Leonardo Boff (Brasil), Q’orianka Kilcher (EEUU), Timothy Byakola (Uganda) y Jose Bové (Francia).

La conferencia cobra especial importancia porque la reciente cita de la Convención Marco de Naciones Unidas sobre Cambio Climático en Bonn, no concluyó con un llamado urgente para que los gobiernos retomen las negociaciones internacionales con el fin de conseguir un acuerdo vinculante, ambicioso y justo de reducción de emisiones de gases de efecto invernadero. La Unión Europea, China y EEUU han señalado, en cambio, que no tienen voluntad política para llegar a ese acuerdo en la próxima Conferencia de las Partes (COP-16) en México a finales de año, y posponen el acuerdo a 2012.

Para Ecologistas en Acción, este nuevo aplazamiento es inaceptable y escandaloso. Como el resto de los movimientos sociales comprometidos con la Justicia Climática y presentes en Cochabamba, caracterizamos el momento actual por la prepotencia de EEUU,  la UE, China y el poder económico dominante, que también se expresó en el “no-acuerdo” de Copenhague cuando unos pocos países impusieron un resultado, que no detiene el calentamiento global por debajo de los 1,5ºC (comparado con la época preindustrial).  Los paquetes multi-billonarios de los gobiernos para rescatar bancos y la industria financiera, la ayuda a la compra del automóvil así como el incremento del gasto militar, señalan que no es una cuestión de falta de recursos económicos.

Para buscar un impulso que -de forma urgente- reinicie las negociaciones, estamos presentes en la Conferencia Mundial de los Pueblos sobre el Cambio Climático, donde hoy organizaremos una asamblea de los Movimientos Sociales para debatir nuestro apoyo a las propuestas y iniciativas de los gobiernos comprometidos con la justicia climática, así como organizar nuestra agenda propia que potencialice nuestras alternativas y resistencias contra las falsas soluciones a la crisis climática, la militarización como respuesta a la misma y contra las inversiones de empresas transnacionales que -con el apoyo de gobiernos o instituciones multilaterales como el Banco Mundial- acaparan territorios para el monocultivo agroexportador y la privatización del aire y la creación de mercados especulativos de los llamados “créditos de carbono”.

Así, por ejemplo, buscaremos estrategias para impedir un préstamo del Banco Mundial de $-US 3,75 mil millones para ayudar a la compañía eléctrica sudafricana Eskom a construir una de las plantas de carbón más grandes del mundo en contra de la amplia oposición social en África del Sur y en el extranjero.

Más información:

Pueden seguir la Conferencia de Cochabamba por el siguiente webcasting en vivo:

http://envivo.cmpcc.org.bo/spip.php?page=videos&Array&lang=es

http://envivo.cmpcc.org.bo/?lang=es

http://www.ecologistasenaccion.org/

Fonte: Noticias Positivas

Referéndum Mundial sobre Cambio Climático

Em Copenhague o presidente boliviano Evo Morales declarou: “Já que temos profundas diferenças entre nós, presidentes, consultemos ao povo e façamos o que ele https://i0.wp.com/upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/5/53/Evo_Morales_at_COP15.jpg/225px-Evo_Morales_at_COP15.jpgnos disser”.
Por isso, anunciou que assumia convocar um  Referendo Mundial para consultar o população mundial de modo a orientar as tomadas de decisões a respeito das ações para impedir a mudança dos clima.

Para participar deste Referendo, basta entrar AQUI, preencher os dados e votar.

Precisamos ser milhões! O Fórum Mudanças Climáticas e Justiça Social (FMCJS)está empenhado nesta campanha e conta com todas as forças sociais para mobilizar o Brasil a entrar nela.

Faça sua parte: convide a todos que puder para entrarem nesta corrente em favor da vida da Terra e da vida humana na Terra.

midialivre

arte2

BannerForum120x240

codigoflorestal22

Assine e receba as atualizações do Blog do CEA por email. Basta clicar no link acima, ao abrir uma janela, coloque seu email, digite o código que aparece e confirme. Será enviado um email solicitando sua confirmação. Obrigad@.

Frase

“De tanto postergar o essencial em nome da urgência, termina-se por esquecer a urgência do essencial.” Hadj Garm'Orin

Apresentação

O Centro de Estudos Ambientais (CEA) é a primeira ONG ecológica da região sul, constituída em Rio Grande/RS/Brasil, em julho de 1983.

Nos siga no Twitter

Acessos desde 04/11/08

  • 1,154,048 Visitas

Campanhas e Parcerias

Flickr PIT 531 - Logotipo Pedal Curticeira - Pedal Curticeira2 um-carro-a-menos_outra2 Flickr

Flickr

Flickr

Visitantes on-line

Países Visitantes

free counters

Pesquise por Temas

Direito à Informação Ambiental

As publicações elaboradas e publicadas pelo CEA, bem como suas fotos são de livre reprodução, desde que não haja fins econômicos, que sejamos informados através do mail ongcea@gmail.com e com expressa citação da fonte nos termos a seguir: Fonte: Blog do Centro de Estudos Ambientais (CEA).
%d blogueiros gostam disto: