A Organização das Nações Unidas (ONU) apresentou uma ata da mais recente reunião preparatória para a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (UNCSD, na sigla em inglês, ou apenas Rio+20), realizada nos dias 15 e 16 de dezembro último em Nova York (EUA). Na publicação, foram apresentados alguns pontos decididos a respeito da estrutura do “rascunho zero” (zero draft) do documento final que será produzido durante a Rio+20.

Entre os elementos apresentados na ata, alguns se destacam. Um deles é o compêndio de compromissos voluntários, sugerido principalmente pelos Estados Unidos durante a reunião de Nova York. A proposta ainda é considerada válida, mas poderá ser desvinculada do documento oficial. “Esse é um aspecto positivo, porque não mistura eventuais acordos oficiais dos governos com afirmações unilaterais ou voluntárias”, avalia Aron Belinky, coordenador de Projetos Internacionais do  Instituto Vitae Civilis e membro do Comitê Facilitador da Cúpula dos Povos.

As propostas de acompanhamento e de medição das ações de desenvolvimento sustentável implementadas pelos países também foram incorporadas na estrutura do “rascunho zero”, na forma das “Metas de Desenvolvimento Sustentável” (SDGs, na sigla em inglês) e de outros métodos. Também foi enfatizado o foco na economia verde e na integração dos três pilares para o desenvolvimento sustentável (social, ambiental e financeiro).

Veja a estrutura para o “rascunho zero” publicada na ata da ONU (a íntegra da ata pode ser lida aqui, em inglês):

I. Preâmbulo/Contextualização

Visão

II. Renovação do compromisso político

A. Reafirmar os Princípios do Rio e planos de ação passados;

B. Avaliar o progresso até hoje e as lacunas na implementação dos resultados das grandes reuniões de cúpula sobre desenvolvimento sustentável, e atenção aos desafios novos e emergentes (Integração, Implementação, Coerência);

C. Estabelecer relacionamento/participação com os “major groups”(sociedade civil);

D. Quadro referencial para ação.

III. Economia Verde no contexto do desenvolvimento sustentável e da erradicação da pobreza.

A. Estabelecer o contexto (quadro referencial) da economia verde, seus desafios e oportunidades;

B. “Caixas de ferramentas” para a economia verde e compartilhamento de experiências;

C. Quadro referencial para a ação.

IV. Quadro institucional para o desenvolvimento sustentável

A. Fortalecer, reformar e integrar os três pilares (econômico, social e ambiental);

B. Proposta envolvendo Assembleia Geral, Conselho Economico e Social, Comissão para o Desenvolvimento Sustentável, Conselho para o Desenvolvimento Sustentável;

C. Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), proposta para uma agência especializada em meio ambiente, Instituições Financeiras Internacionais, área operacional da ONU ao nível de cada país (nacional);

D. Dimensões regional, nacional e local;

V. Quadro referencial para ação e acompanhamento

A. Assuntos e areas transversais/temáticas/chave/prioritárias;

B. Acelerar e medir progresso (Metas do Desenvolvimento Sustentável, PIB e outras);

D. Meios de implementação (finanças, acesso a e transferência de tecnologia, capacitação).

Fonte: http://cupuladospovos.org.br/2012/01/onu-libera/

Anúncios