Ricardo Carrere

Lembro de uma vez, lá em Pelotas, numa Audiência Pública sobre os impactos das monoculturas de eucaliptos, Ricardo estava e foi totalmente desrespeitado em sua intervenção que problematizou os eucaliptos no Uruguai. Lá pelas tantas, um engraçadinho disse a ele que o Uruguai exportava cidadãos pra zona sul do RS. Ricardo, com toda lucidez, questionou o vivente, se tal situação não estaria sendo ocasionada pelos mais de um milhão de hectares de desertos verdes que haviam no Uruguai. O tipo emudeceu.
A luta ecológica segue…
Cintia

Até sempre Ricardo!

Com muito pesar, informamos que neste ultimo dia 16 de agosto, faleceu nosso querido companheiro Ricardo Carrere. Apesar de que soubemos há alguns meses que estava doente, sua morte nos pegou de surpresa porque seu estado piorou muito rápido em poucos dias.

Abraçamos Mari, sua esposa, e Cecília y Francisco, seus filhos,Margarita, sua irmã, e demais familiares, neste momento de muita dor.

Quem trabalhou com ele no WRM – Ana, Lizzie, Teresa, Raquel, Flávio e Winnie – choramos por ele porque de repente ficamos sem sua lucidez, convicção e amor pelo que fazia, regado com seu compromisso integro com a justiça social e ambiental, e sempre com seu humor peculiar, otimismo e amor pela vida.

Ricardo foi coordenador do Movimento Mundial pelas Florestas Tropicais (WRM) de 1996 até dezembro 2010 quando se aposentou. Ao longo destes anos todos, ele foi fundamental na construção da organização, sua rede de contatos e articulações baseadas na confiança, e na definição do seu objetivo principal de apoiar as lutas locais de comunidades e povos por seus direitos e modo de vida.

Ricardo gostava muito de ouvir o que as pessoas destas comunidades tinham para dizer sobre a vida e suas lutas e, nesse sentido, gostava muito mais de se chamar ‘aprendiz’ do que ‘coordenador internacional’. Refletia muito sobre o que ouvia, em silêncio, durante suas sessões matinais para tomar mate, que nunca podia faltar, durante suas muitas viagens ou em casa, no seu quintal, cheio de árvores e plantas nativas que ele plantou e cuidou com tanto carinho e dedicação.

Como poucas, Ricardo conseguiu transmitir sua aprendizagem para muita gente: para nos que tivemos o enorme privilegio de trabalhar diretamente com ele, e para outros/as que conheceram, colaboraram e conviveram com ele em vários momentos de sua vida, como as pessoas da nossa e outras redes de organizações e movimentos em muitos países.

Agradecemos nossos amigos e colegas pela grande quantidade de mensagens que estamos recebendo de vários cantos do mundo. Pretendemos devolver um pouco de todo este carinho no nosso Boletim de setembro que será dedicado ao Ricardo.

Queremos reforçar também a sugestão de alguns de fazer uma homenagem especial ao Ricardo no próximo dia 21 de setembro, o Dia Internacional de Luta contra as Monoculturas de Árvores. Faremos esta homenagem aqui em Uruguai e convidamos a todos/as a fazer o mesmo, onde estiverem. Mesmo assim, a melhor homenagem será somar-se a este Dia de Luta que Ricardo durante muitos anos ajudou a divulgar e promover com o entusiasmo, determinação e a paixão que sempre marcaram ele.

Até sempre Ricardo!
Ana, Lizzie, Teresa, Raquel, Flávio e Winnie


http://www.wrm.org.uy

Confira no IHU uma das ultimas entrevistas com Carrer:

Uma espécie ameaçada e adaptável: Segundo Ricardo Carrere, a biodiversidade mundial tende a ser cada vez mais padronizada e menos diversa

Anúncios