O movimento Massa Crítica se reúne mensalmente para lutar pelos direitos dos ciclistas da capital gaúcha  Foto: Antonio de Paula Filho/Massa Crítica/Divulgação

Segundo Camilo Colling, o homem disse que estava com pressa e atirou o veículo contra as bicicletas Foto: Ramiro Furquim/Agência Freelancer/Especial para Terra

Ciclista diz ter pedido calma a homem antes dele atropelar 10

por Maurício Tonetto/Direto de Porto Alegre

Um dos ciclistas que participava do passeio do movimento Massa Crítica, que percorre as ruas do bairro Cidade Baixa, em Porto Alegre (RS), na última sexta-feira de cada mês à noite, afirmou hoje que pediu calma ao motorista do Golf preto momentos antes de ele atropelar 10 pessoas do grupo e fugir sem prestar socorro. A polícia fazia buscas a Ricardo José Neif, 47 anos, identificado como proprietário do veículo após testemunhas anotarem a placa.

Camilo Colling, 31 anos, disse ter visto o atropelamento porque chegou ao encontro atrasado, ficando um pouco atrás do grupo principal. “Eu vi esse carro arrancando. Ele ameaçou os ciclistas, foi para cima da gente e freou. Depois, continou indo atrás e ameaçando”, afirmou. Camilo, ao ver a cena, bateu no vidro do carro e disse: “acho melhor o senhor manter a calma, pois é um passeio ciclístico. Há crianças e pessoas mais velhas, e o senhor terá que ter paciência”.

Antes de jogar o veículo para cima do grupo, o homem teria respondido a Colling: “sim, mas eu estou com pressa”. “Só deu tempo de puxar a bicicleta para o lado e ver as pessoas voando”, afirmou o ciclista. O atropelamento assustou quem passava pela rua e também os moradores do bairro. O funcionário da prefeitura Marco Antonio da Silva Leal, 49 anos, disse que levou um tempo para entender o que estava acontecendo. “Pensei até que era uma briga. Quando eu vi, tinha gente voando. Foi triste. Tava tudo certo, mas veio esse cara completamente maluco”, afirmou.

O major Maya, do 9° Batalhão da Brigada Militar (BM), também se surpreendeu com o atropelamento. “Em 30 anos de trabalho nessa área, nunca tinha visto isso”, disse. Segundo ele, a BM ainda está apurando uma outra versão: a de que o motorista raspou em um ciclista e os outros o fecharam, o que teria causado o atropelamento.

O incidente aconteceu por volta das 19h no cruzamento da rua José do Patrocínio com a Luiz Afonso. De acordo com a Brigada Militar, 100 ciclistas participavam do passeio. A maioria escapou do atropelamento, mas 10 ficaram feridos, sendo cinco com lesões, que foram encaminhados ao Hospital de Pronto Socorro.

Quatro viaturas da BM e cinco ambulâncias fizeram o atendimento dos feridos. A rua foi bloqueada e um grupo de ciclistas fez um protesto exigindo segurança e a presença do delegado de trânsito. Segundo a polícia, a via deve ser liberada ainda hoje. O movimento Massa Crítica integra uma ação mundial que se reúne mensalmente para lutar pelos direitos dos ciclistas. O grupo combina passeios pela internet.

Na sua página no microblog Twitter, o Massa Crítica convocou as pessoas a ocuparem o local do acidente e afirmou que “isso não pode passar em branco”. “Acompanhe o noticiário local e difunda a notícia desta barbaridade. Por um trânsito sem assassinos e respeito a ciclistas e pedestres”, dizia o grupo, que também postou: “Ciclistas estão lavrando boletins de ocorrência e deverão, coletivamente e em grupo, processar o assassino”. O Terra entrou em contato com a Polícia Civil, mas não obteve retorno.

Fonte: TERRA

Anúncios