KARL MARX, PRESENTE!

Em 5 de maio de 1818 nascia Karl Heinrich Marx, intelectual e revolucionário alemão, que, juntamente com Engels, desenvolveu sistemática crítica radical às sociedades capitalistas.

Marx também apontou, em vários de seus escritos e livros, a forma predatória e degradadora, no qual o sistema capitalista tratava a vida, extraindo a mais valia não só do trabalhador (a), mas também da natureza. Abaixo seguem alguns fragmentos escritos por ele:

[…] cada progresso da agricultura capitalista não é só um progresso da arte de saquear o solo, pois cada progresso no aumento da fertilidade por certo período é simultaneamente um progresso na ruína das fontes permanentes dessa fertilidade […] a produção capitalista só desenvolve a técnica e a combinação do processo de produção social ao minar simultaneamente as fontes de toda a riqueza: a terra e o trabalhador (Marx apud Lowy, 2005).

O trabalhador nada pode criar sem a natureza, sem o mundo exterior sensível. Ela é a matéria pela qual o seu trabalho se efetiva, na qual [o trabalho] é ativo, [e] a partir da qual e por meio da qual [o trabalho] produz. Mas como a natureza oferece os meios de vida, no sentido de que o trabalho não pode viver sem objetos nos quais se exerça, assim também oferece, por outro lado, os meios de vida no sentido mais estrito, isto é, o meio de subsistência física do trabalhador mesmo (Marx, 2004).

Ainda no mestrado, Cíntia Pereira Barenho, juntamente com o prof. Carlos RS Machado, desenvolveram o artigo “Contribuições do Marxismo e da Etnoecologia para o estudo das relações socioambientaisque foi apresentado no Colóquio Marx e Engels (CEMARX/2007) da Unicamp:

Resumo
Este artigo busca nas idéias de natureza, postas em Marx e Engels, relacionar dois campos de estudo: a Etnociência, via Etnoecologia e o Marxismo, via Ecossocialismo. Para tanto destaca dois aspectos presentes nestes campos de investigação: a exploração do campo e/ou da agricultura, e a natureza como mercadoria. Mesmo que tais teóricos não tenham aprofundado a análise das questões socioambientais, já apresentavam o quão prejudicial estava sendo a expansão do capitalismo. Prejudicial no sentido de utilização indiscriminada dos recursos (elementos) naturais, e principalmente pela apropriação privada da natureza.
Palavras-chaves: Etnociência, Ecossocialismo, Natureza.

Baixe AQUI o artigo

Também interessante é conferir O discurso de Engels no funeral de Marx AQUI

Anúncios