Manifestação em frente a Igreja

Hoje (31.01), no Balneário do Cassino, no município de Rio Grande, no sul do Rio Grande do Sul, ambientalistas e ecologistas de diversas ONGs organizaram mais um protesto pela não poluição dos banhados da região (dia 02.02 é dia Mundial das Zonas Úmidas), ameaçados por uma iniciativa do governo local de importar lixo de diversas cidades próximas, como Pelotas, para transformá-lo em energia termoelétrica. A iniciativa, além de comprometer a qualidade ecológica das Zonas Úmidas locais é uma ação ilegal. Por isso, o governo local também propôs um projeto-de-lei (PL 133) para “regularizar” tal medida, geradora de impactos ambientais e que altera profundamente a gestão de resíduos sólidos urbanos na região.

A ONGs envolvidas na ação, entre elas o CEA, através da historiadora Aline Menezes, fazem parte do Fórum Permanente da Agenda 21 de Rio Grande, que em reunião deliberou pela contrariedade a proposta governamental, tendo em vista as ameaças ambientais, para que Rio Grande se transforme num depósito regional de lixo.

Os organizadores do movimento alegam que “A Agenda 21 de Rio Grande se coloca contra o projeto de lei 133 com sua proposta de adquirir lixo para a produção de energia, visto que, em que pese a legitimidade dos poderes constituídos, decisões desse porte deveriam ter, além de firme embasamento técnico, discussão e aprovação por parte da comunidade riograndina através de amplo debate, audiências públicas, EIA-RIMA’s, e evidentemente discussão com a Agenda 21, fórum legítimo que deveria ser consultado.”

A mobilização das ONGs segue durante toda a semana, uma vez que a votação do PL mencionado esta prevista para o dia 08.02, as 15h, na Câmara de Vereadores de Rio Grande. Convidamos a todos que estão preocupados com a proteção das zonas úmidas que acompanhe a votação.

Anúncios